Eu sou a Flavia Machioni, autora do Lactose Não. Desde que descobri minhas alergias alimentares minha vida mudou totalmente. Assumi responsabilidade pela minha saúde e bem estar e vou te auxiliar a fazer o mesmo!
No meu programa online de 6 semanas, vou te mostrar como conquistar hábitos saudáveis sem sofrimento e ensinar todos os segredos da gastronomia natural funcional, com técnicas e receitas sem glúten, leite, ovos e lowcarb. Conheça meu programa e inscreva-se para a próxima turma.
Clique aqui para conhecer mais da minha história e passeie por minhas deliciosas receitas que são Testadas & Aprovadas diariamente por centenas de pessoas.

Recupere seu bem-estar e saúde através da alimentação e estilo de vida. Participe da próxima turma do meu programa online!


Com amor, sem restrições


Inscreva-se para a próxima turma do meu programa de 6 semanas que vai te auxiliar a mudar seus hábitos e conquistar um estilo de vida equilibrado sem sofrimento e dietas da moda.

Receitas saudáveis


Confira as receitas funcionais e nutritivas que desenvolvo e que fazem sucesso aqui e nas redes sociais.

E-Books


Conheça e compre meus e-books online com receitas exclusivas que fizeram parte dos meus cursos pelo Brasil e que são super aprovadas! Opções a partir de R$19,90.

Últimos Posts:

Bruschetta sem glúten

Oi, amigos! Eu fiz agora poucos uma bruschetta sem glúten maravilhosa e quero dividir com vocês essa receita tão simples e incrível. Eu sempre gostei muito de pão. Hoje ele não faz muito parte da minha vida, confesso, e não é porque sou celíaca! É porque eu vi que comida de verdade, aquela alimentação a que nos nutre e faz bem, não comporta ter pão com a frequência que eu estava acostumada desde pequena (todo dia, algumas vezes ao dia 🙈). Mas, eu sou mega a favor do equilíbrio e por isso que tenho minhas receitinhas preferidas de pão, bolo e tudo isso que não faz parte da minha rotina mas que tem seu lugar especial, para quando quero algo especial. Preciso ser honesta e dizer que essa bruschetta nasceu com a intenção de ser feita em um pão incrível que eu estava prestes a criar. Mas, a realidade nem sempre é como o que imaginamos na cabeça, né amigos?! kkkkk Eu fiz um pão que ficou bem esquisitinho, pobrezinho, mas, não queria perder. Transformei em torradinhas, depois em brushchettas e TCHANÃ, arrasei 😌. Fiquei tão inspirada que até fiz esse post, com algumas outras ideias do que fazer quando o pão sem glúten dá errado. Bom, como não quero que você dependa do pão que não deu certo, vou deixar aqui embaixo algumas receitas de pão sem glúten e lactose que eu adoro e que dão super certo. Aí você escolhe a sua preferida e monta sua bruschetta, combi?! [intense_icon_list] [intense_icon_list_item type="spoon" size="1" color="#eb94bd"]Pão integral fácil[/intense_icon_list_item] [/intense_icon_list] [intense_icon_list] [intense_icon_list_item type="spoon" size="1" color="#eb94bd"]Pão caseiro[/intense_icon_list_item] [/intense_icon_list] [intense_icon_list] [intense_icon_list_item type="spoon" size="1" color="#eb94bd"]Pão de amaranto[/intense_icon_list_item] [/intense_icon_list] [intense_icon_list] [intense_icon_list_item type="spoon" size="1" color="#eb94bd"]Pão de linhaça e quinoa[/intense_icon_list_item] [/intense_icon_list] [intense_icon_list] [intense_icon_list_item type="spoon" size="1" color="#eb94bd"]Pão de amêndoas[/intense_icon_list_item] [/intense_icon_list] Agora, veja como fazer as bruschettas, que são:  
Leia Mais >

Meu pão sem glúten não deu certo

Será que alguém aí já disse a frase: "Meu pão sem glúten não deu certo"?! 🤔 Acho que 95% das pessoas que já tentaram fazer um pão sem glúten já disseram essa frase pelo menos uma vez na vida. Né não?! Hoje eu resolvi testar algumas receitas que estavam surgindo na minha cabeça, para o curso que darei quinta-feira (21/09) em Curitiba - aproveitando, mande e-mail para se inscrever!. Eu já mostrei pelo Instagram algumas vezes como é o processo de criação das receitas que faço e hoje foi um dos dias de teste. Eu já fiz um post aqui (com e-book gratuito e tudo!) com 4 dicas para cozinhar sem glúten, e se você ainda não viu, corre lá porque muita gente já salvou ingredientes seguindo elas! Você já deve saber que eu não faço receitas só pelo sabor. Eu me preocupo bastante na escolha dos ingredientes para que sejam nutritivos e usados da melhor maneira possível. Então lá fui eu.. reuni vários ingredientes que queria para o meu pão sem glúten e integral. Coloquei para assar, ele cresceu lindo, fez uma casquinha incrível, perfumou a casa com aquele cheirinho de pão irresistível. Tirei do forno. Deixei ele descansar na bancada para esfriar, Quando olhei para ele de novo, o bichinho estava na metade do tamanho, todo esquisitinho. Pensei: "Ixi, não deu!". Quando cortei, amigo, era um purê com casquinha ahahahhahaha até fiz post, olha:

A post shared by Flavia Machioni (@lactosenao) on

Eu aproveitei o momento para falar um  pouco sobre o fracasso das receitas. Eu sei que elas nos deixam desanimadas, frustradas e até irritadas porque gastamos ingredientes bons e caros, mas vamos lembrar que é no erro que a gente descobre a vitória! E sim, é claro que inclusive eu, que trabalho com isso e faço receitas direto, erro! Óbvio! Nós só evoluímos tentando e errando, porque assim temos a oportunidade de aprender ainda mais. Todo mundo erra! Principalmente se quer fazer algo do zero. Normalmente não é de primeira que se acerta. Eu já tive receitas que inventei do zero e deram super certo na primeira, mas não é o padrão. Normalmente preciso de pelo menos duas tentativas. É muito estudo, muito teste, muito ingrediente bom indo pro lixo, muitaaaaaa louça pra lavar. Porque estou dividindo isso? Para você não achar que só acontece com você. O erro faz parte do processo e nos ensina muito. [intense_heading font_family="google|Bilbo"]Mas, vamos ao que interessa! O seu pão sem glúten deu errado e você não sabe o que fazer?[/intense_heading] Vamos ver algumas opções: [intense_icon_list] [intense_icon_list_item type="check-circle" size="1" color="#7cbaed"] Transforme em torradinhas! Corte em fatias finas, coloque em uma assadeira levemente untada e deixe no forno médio até ficarem com cara de torrada. Deixe esfriar e use como quiser. Uma ideia: essas bruschettas maravilhosas. [/intense_icon_list_item] [/intense_icon_list]   [intense_icon_list] [intense_icon_list_item type="check-circle" size="1" color="#7cbaed"] Transforme em farinha de rosca! Farinha de rosca = pão velho moído. O seu pão não está velho, mas não está bom kkkkk. Então torrer ele até ficar sequinho e triture no processador ou liquidificador. Use para empanar proteínas, bolinhos ou substituindo a farinha de rosca tradicional em diversas receitas. [/intense_icon_list_item] [/intense_icon_list]   [intense_icon_list] [intense_icon_list_item type="check-circle" size="1" color="#7cbaed"] Transforme em crouton para salada! Corte em quadradinhos pequenos. Regue com azeite de oliva ou passe mantega ghee e leve ao forno médio até ficarem crocantes. Deixe esfriar e use em saladas ou para acompanhar sopas. [/intense_icon_list_item] [/intense_icon_list] Você também pode fazer alguma das minhas receitas aqui do blog, que dão certo e são muito gostosas! Que tal? [intense_icon_list] [intense_icon_list_item type="spoon" size="1" color="#eb94bd"]Pão integral fácil[/intense_icon_list_item] [/intense_icon_list] [intense_icon_list] [intense_icon_list_item type="spoon" size="1" color="#eb94bd"]Pão caseiro[/intense_icon_list_item] [/intense_icon_list] [intense_icon_list] [intense_icon_list_item type="spoon" size="1" color="#eb94bd"]Pão de amaranto[/intense_icon_list_item] [/intense_icon_list] [intense_icon_list] [intense_icon_list_item type="spoon" size="1" color="#eb94bd"]Pão de linhaça e quinoa[/intense_icon_list_item] [/intense_icon_list] [intense_icon_list] [intense_icon_list_item type="spoon" size="1" color="#eb94bd"]Pão de amêndoas[/intense_icon_list_item] [/intense_icon_list] Agora, quero saber quais são suas dúvidas nos pães sem glúten. Deixa aí nos comentários, vai que eu consigo te ajudar! Um beijo!    
Leia Mais >

Como mudei meus hábitos alimentares sem sofrer

Tantas pessoas me perguntam como mudei meus hábitos alimentares sem sofrer que decidi contar tudo para vocês!

Quem não quer se sentir bem, leve, se olhar no espelho e amar o que vê? Comer com prazer, ser feliz com suas próprias escolhas e viver todo dia a vida que sempre sonhou?

Eu sempre quis e hoje eu vivo isso! Mas, ao contrário do que você possa pensar, ao ver meu Instagram ou Facebook, eu não sou uma daquelas pessoas iluminadas e evoluídas que nasceu amando suco verde, chia e quinoa 😂

Isso mesmo, eu não nasci amando “comida saudável” e como a grande parte de nós cresci comendo bolacha recheada, nuggets, pizza, bolo e achava super normal.

Mas eu sempre estava me sentindo mal, desde que me conheço por gente. Sempre com probleminhas de saúde, falta de energia, mente nebulosa, dores no estômago, hormônios doidos.

Quando criei o Lactose Não não imaginei que fosse atingir tantas pessoas e que poderia ser instrumento de mudança. Por isso, vou contar um pouco da minha caminhada até aqui, para mostrar para você que é super possível e como mudei meus hábitos e estilo de vida, sem sofrer.

Eu fui uma criança super ativa! Cresci em casa e amava brincar na rua, subir em árvore, andar de bicicleta, correr, nadar, ficar fazendo “miquisse”, como minha mãe dizia. Com 10 anos me mudei para Curitiba (morava em São Paulo), e aos poucos fui ficando menos ativa. Fazia os esportes no colégio e só.

Mas quando chegou a adolescência o negócio desandou! Praticamente não fiz exercício nenhum, dos meus 13 aos 21 anos, e a alimentação piorou super. Olhando agora, vejo que a doença e morte do meu pai com certeza influenciou demais. Ele descobriu um câncer quando eu tinha +- 13 anos e faleceu antes de eu fazer 16. A partir daí, até meus 21 anos eu comi muito mal, mesmo!

Eu sempre gostei de comer de tudo, com uma super queda por besteira, admito! Trocava fácil qualquer refeição por uma coxinha e um pote de doce de leite - que a propósito, comia um pote todo de colher, algumas vezes na semana. Leia “colher” como bolacha Maizena.

Pois é, amigo, eu comia potes de doce de leite sozinha e brigadeiro de panela praticamente toda semana.

Olha como estou hoje! Viu, como tudo tem jeito nessa vida? kkkkk

Aqui acho importante ressaltar uma coisa: minha decisão nunca teve a ver com me encaixar em um certo padrão ou um número de roupa. Eu tenho estrutura pequena, nunca tive muito problema de peso. Eu não tinha “corpo de revista”, mas isso nunca tinha me incomodado. Com toda a mudança no meu estilo de vida hoje fico muito mais satisfeita quando olho no espelho, pois vejo o resultado do meu esforço e do carinho que tenho comigo, mas esse nunca foi meu objetivo principal.

[intense_heading font_family="google|Bilbo"]Muitas pessoas me perguntam: "Flavia, como você conseguiu se adaptar? Você não sente falta de tudo?"[/intense_heading] Sinceramente, hoje sinto pouca falta, já senti mais. Sabe o que mudou? Minhas escolhas. E eu não estou falando só das escolhas alimentares. Eu escolhi me sentir bem, e para isso, eu também precisava cuidar da minha alimentação. Mas mais que isso, eu precisava entender o meu corpo, ver o que me faz feliz e resgatar a minha saúde. Mas eu só consegui entender isso depois de bater muito a cabeça. Eu fui desconstruindo muitos mitos, muitos preconceitos (meus e dos outros), tive que fingir que não ouvia as críticas, porque eu estava determinada em me sentir bem! Eu não conseguia aceitar que o normal era estar sempre passando mal e indisposta.

Sempre me incomodou não estar 100% de saúde. Era horrível passar mal depois de TODA refeição. Ficar doente todo mês. Ninguém saber porque meus hormônios estava sempre em desajuste.

Isso foi piorando com o passar dos anos, até que não dava mais.

Além de ter esgotado meu organismo com um monte de comida porcaria, ainda teve o agravante que eu tinha alergias alimentares e não sabia, então passei muitos anos da minha vida inflamando meu organismo.

Eu estava determinada a me sentir bem. Estava determinada a recuperar minha saúde.

Por isso, eu entendi que sofrimento seria não mudar.

Eu comecei mudando poucas coisas, e à maneira que ficava mais confiante e confortável, mudava um pouquinho mais.

Essa pequena escolha que fiz, em começar a mudar, mudou completamente minha vida! Eu criei o blog, o blog se tornou uma empresa, me deu uma nova profissão e me fez me conhecer.

Hoje estou aqui para quem sabe inspirar a mudança em você. Para falar que estamos juntas e que se eu consegui (lembra: pote de doce de leite com bolacha Maizena!), você também consegue!!!!

Em 2015 eu me matriculei em um curso de Health Coach (coach em saúde) e me formei em setembro do ano passado. O curso foi o que faltava para eu mudar completamente a maneira como me relaciono com o alimento. Foi tão incrível que eu soube na hora que eu precisava passar isso para outras pessoas, precisava ajudar quem estive disposto e preparado.

É por isso que eu desenvolvi o Com amor, sem restrições - meu programa online de 6 semanas em que divido o que aprendi nos últimos 6 anos sobre metabolismo, saúde e alimentação e todas as ferramentas necessárias para você conquistar a saúde e bem-estar que merece!

A descoberta das minhas alergias me trouxe maior consciência alimentar. Tive que aprender a ler rótulos, a decifrar nomes esquisitos. Com isso fui comendo cada vez mais comida de verdade: legumes, folhas, verduras, carnes, grãos, cereais, frutas. Você pode conferir aqui mais de perto como é minha alimentação sem glúten e lácteos.

Conforme fui me alimentando melhor, me senti mais disposta e tive mais vontade de me exercitar. Faz 6 anos que pratico atividade física direto. Já fiz só musculação, já fiz corrida, já fiz yoga, voltei pra musculação, fiz circuito funcional, Muay-Thai, stand-up paddle, mas não parei!

Mesmo com todas as minhas viagens eu não deixo de me exercitar.

Tive fase magrela, tive fase maromba, tive fase mais cheinha e hoje em dia estou em paz com meu corpo, minha alimentação e meu estilo de vida. Aceito meu biotipo e cada dia mais me acho bonita como sou. Tudo isso porque hoje eu me conheço e sei me relacionar com o alimento.

Perdi mais de 10cm de circunferência abdominal ao mudar para uma alimentação anti-inflamatória, que ensino em meu curso online, com turma nova a cada mês. Digo isso pois eu já me exercitava diariamente há 2 anos quando perdi as medidas, e foi depois que descobri minhas outras alergias, que não era só a lactose.

Vamos ser práticas, então? Porque sei que você está aqui para saber como a louca do doce de leite virou a louca da salada 😉

Separei algumas dicas que podem te auxiliar. [intense_icon_list] [intense_icon_list_item type="certificate" size="1" color="#f291bb"] Crie sua intenção.

Primeiro de tudo, porque você quer isso? Qual sua maior motivação?

Escreva ela agora em um pedaço de papel e guarde com você.

Lembre-se sempre porque começou.

[/intense_icon_list_item] [/intense_icon_list] [intense_icon_list] [intense_icon_list_item type="certificate" size="1" color="#f291bb"] Tenha calma e paciência. Lembre-se que você passou muitos anos com esses hábitos e para desconstruí-los e fazer com que seu organismo consiga funcionar 100% vai precisar de algum tempo. [/intense_icon_list_item] [/intense_icon_list] [intense_icon_list] [intense_icon_list_item type="certificate" size="1" color="#f291bb"] Esteja aberta à novos sabores e experiências. Não vá esperando o mesmo sabor se a receita é feita com ingredientes diferentes. Use essa oportunidade para conhecer sabores novos, ingredientes diferentes. Vá com o olhar e curiosidade de um explorador e se joga nessa aventura! [/intense_icon_list_item] [/intense_icon_list] [intense_icon_list] [intense_icon_list_item type="certificate" size="1" color="#f291bb"] Não desista quando tiver um obstáculo. Muitas pessoas vão te questionar, vários vão rir e poucos vão legitimamente te apoiar. Não dê bola, faça por você, e por mais ninguém. Lembre que quem mais critica você é quem menos tem força de vontade de fazer algo similar e quem mais precisa. [/intense_icon_list_item] [/intense_icon_list] [intense_icon_list] [intense_icon_list_item type="certificate" size="1" color="#f291bb"] Se precisar, descanse.

Não faça disso uma batalha, pois não é. Lembre que é uma opção sua e a maneira como você vai encarar essa nova fase também depende de você: quer que seja prazeroso ou fardo?

Leveza, carinho e amor: você vai precisar destes três ingredientes para essa nova etapa. use sem moderação e não deixe faltar.

Se estiver em falta, pare e descanse um pouquinho. Não desista, você está mais perto do que imagina.

[/intense_icon_list_item] [/intense_icon_list] Eu posso te auxiliar nessa caminhada! Se você quer começar a viver a vida que sempre quis clique aqui e me escreva para participar da próxima turma do meu programa. Beijinhos e sucesso!
Leia Mais >

Alimentos orgânicos: o que são? Por que custam mais?

Os alimentos orgânicos são inacessíveis para muitas pessoas, seja pelo preço, seja pela dificuldade de encontrar. Além disso, eles ainda são pouco conhecidos: muita gente torce o nariz logo de cara, achando que são coisas naturebas demais, com preços fora da realidade e sabor duvidoso, mas não é nada disso! É fato que os preços em geral são mais elevados, mas considerando o custo benefício, talvez compense. Ter uma alimentação toda orgânica é um luxo para poucos, mas fazer boas escolhas, independente das nossas limitações, é algo ao alcance de qualquer pessoa. Diminuir industrializados, ter mais consciência ao se alimentar e experimentar novos sabores são mudanças possíveis mesmo para quem tempo e dinheiro limitados, por exemplo. Então, nada de achar que tudo está perdido só porque os orgânicos não são uma realidade para você. Mas você sabe o que torna um alimento orgânico? Não ser cultivado com agrotóxicos é apenas uma das suas características. A preservação do meio ambiente e a qualidade de vida dos trabalhadores estão entre os compromissos necessários para se obter a certificação. Essa é uma das razões pelas quais eles muitas vezes custam mais.

Características dos alimentos orgânicos

  • Para ser considerado orgânico, o produto deve ser cultivado em um ambiente que considere sustentabilidade social, ambiental e econômica e valorize a cultura das comunidades rurais;
  • A agricultura orgânica não utiliza agrotóxicos, hormônios, drogas veterinárias, adubos químicos, antibióticos ou transgênicos em qualquer fase da produção;
  • O sistema orgânico busca o equilíbrio do ecossistema para resultar em plantas mais resistentes a pragas e doenças. Para isso, os produtores utilizam o rodízio de culturas e diversificação de espécies entre e dentro dos canteiros;
  • Muita gente acredita que os produtos orgânicos são menores, mais feios e até menos saborosos, mas isso é um mito! Alguns apresentam sim características diferentes dos equivalentes não orgânicos, mas isso não significa qualidade inferior;
  • Para produtos industrializados serem considerados orgânicos, o processo de industrialização deve respeitar normas semelhantes às do cultivo. Para ser considerado orgânico, o produto deve ser composto de no mínimo 95 % de ingredientes desse tipo. Os que têm proporção menor só podem ser chamados de “produto com ingredientes orgânicos” e essa porção tem que ser de, no mínimo, 70 %. Já os com menos de 70 % de ingredientes orgânicos não podem ser vendidos como tal e não podem ter o selo brasileiro.
Escolher alimentos que promovem saúde é uma das formas de cuidar de si e da família. Se você quer ir além, obter mais informações e colocá-las em prática, o programa Com amor, sem restrições vai te ajudar! Ele vai além da alimentação e inclui ferramentas para mudar de dentro para fora. Saiba mais: Programa Com amor, sem restrições

Como saber se um produto é orgânico?

Conforme nossa legislação, o consumidor reconhece o produto orgânico através do selo brasileiro ou pela declaração de cadastro do produtor orgânico familiar. Todo produto orgânico tem que apresentar o selo em seu rótulo. O agricultor familiar, que vende seus produtos diretamente em feiras, por exemplo, não precisa estampar o selo nas embalagens, mas deve possuir a declaração de conformidade orgânica. É uma questão de carinho e cuidado conosco optar pelo melhor que estiver ao nosso alcance. E quando esse melhor são os orgânicos, esse cuidado se estende à natureza e às pessoas envolvidas na produção desse alimento. Como é o acesso aos orgânicos na sua cidade? Você tem o costume de incluí-los na sua rotina?
Mais informações sobre produtos orgânicos Ministério da Agricultura Certificação orgânica: o que é? Dá pra confiar?
Leia Mais >

O corvo, o cisne e a dieta

Se você acha que dieta é coisa de tempos modernos, está enganada. O termo tem origem na palavra grega diaita. Só que para os gregos, diaita não significava frango, batata doce e brócolis: seu sentido estava mais próximo a estilo de vida. As Fábulas de Esopo são um dos registros mais antigos dessa palavra, senão o mais antigo, acreditam alguns pesquisadores. Na fábula do Corvo e do Cisne, o corvo quer se tornar um cisne. Par isso, adota a diaita do cisne: nada nas mesmas águas, mora no mesmo lugar, come as mesmas coisas. [caption id="attachment_10440" align="aligncenter" width="309"] Foto: @andreolileonardo[/caption]

Corta para os dias de hoje

A palavra diaita foi se transformando e virou dieta, que significa o conjunto de alimentos e bebidas ingeridos usualmente por alguém. No entanto, é interessante observar que, muitas vezes, atribuímos a esse único aspecto os problemas e soluções de todo o nosso estilo de vida. Por exemplo:
O dia a dia de Duda é bem acelerado, mas ela adora. Conciliar tantas atividades às vezes gera estresse, e Duda fica agitada e não consegue dormir. No jantar, agora ela come banana, ovo, linhaça, grão de bico, couve e amêndoas, porque viu numa reportagem que esses alimentos ajudam a dormir melhor.
Outro exemplo:
Marcinha odeia seu trabalho: sua hora preferida é quando acaba o expediente. Ela anda meio indisposta, por isso passou a tomar alguns chás estimulantes. Ela também sofre com dores de barriga, já cortou vários alimentos na esperança de melhorar. Porém, mesmo sabendo que não lhe faz bem comer certos doces, Marcinha acaba descontando a ansiedade em uns bombons no caminho para casa.
Percebe que as estratégias das nossas amigas Duda e Marcinha talvez não deem certo? Isso porque não solucionam o real problema. Claro que melhorar a alimentação ajuda em muitos aspectos, pode até transformar vidas. Mas não é capaz de resolver tudo. Trouxe essa reflexão porque vejo pessoas angustiadas porque mesmo depois de mudar a dieta, ainda não se sentem bem. “E se eu comer mais espinafre?” “Será que meu kefir tá fazendo efeito?” “Não consigo parar de comer doces, um detox deve resolver!”. Em vez de seguir esse raciocínio, vamos tentar ampliar nossa visão? A alimentação pode melhorar muitos aspectos da nossa vida, vamos aproveitar que temos acesso a tanta informação de qualidade! Restrições alimentares também merecem atenção especial. Mas precisamos lembrar que nem todas as soluções passam pelo prato. PS: conhecem a fábula do corvo e do cisne? Acham que o corvo conseguiu virar cisne só mudando a sua “diaita”? Fica mais uma reflexão :*
Leia Mais >

Xilitol é bom mesmo?

Ele está super na moda, mas será que xilitol é bom mesmo? Cada vez mais eu tenho recebido perguntas nas minhas receitas de "posso substituir por xilitol?" Estava achando OK até começarem a querer colocar xilitol pra alimentar Kefir ou no fermento para pré-fermentação em pães. Aí vi que o negócio parece estar saindo de controle 🙈. Eu não vou falar aqui dos 'benefícios' do xilitol porque tá cheio de post e site fazendo isso. Eu vou falar sobre o outro lado do xilitol que quase não vejo as pessoas falarem e que eu acho importante informar! ☺️ [intense_icon_list] [intense_icon_list_item type="star" size="1" color="#f0829c"]O que é?[/intense_icon_list_item] [/intense_icon_list] O xilitol é um poliol, um tipo de açúcar. Também é poliol o eritritol, manitol e sorbitol. Ele não é digerido completamente no estômago e por isso sofre fermentação no intestino. Por ele não ser digerido no estômago, ele não dá picos de glicose no sangue e por isso tem um índice glicêmico menor que outros açúcares. Vários artigos por aí trazem esse fato como um dos benefícios do consumo do xilitol e as pessoas acabam achando que por ter índice glicêmico baixo está liberado, não faz mal e pode comer à vontade. Índice glicêmico (IG) não salva vidas, não é milagroso e nem de longe deve ser o único fator para que você faça suas escolhas alimentares. Existem vários alimentos super nutritivos que tem índice glicêmico intermediário e até mais alto, enquanto alimentos pobres em nutrientes podem ter índice glicêmico baixo. Uma breve comparação para você entender como IG não quer dizer muito, a coca-cola tem índice glicêmico menor que a batata doce. Isso quer dizer que a coca-cola é melhor? CLARO QUE NÃO! Quando falo sobre açúcar nos meus cursos presenciais e no meu programa online lembro que não existe solução milagrosa!! Pare de se enganar achando que o bolinho, brownie, cafezinho, brigadeiro, leite condensado ou sei lá mais o que, adoçado com xilitol está liberado. NÃO ESTÁ! Sabe porque? [intense_icon_list] [intense_icon_list_item type="star" size="1" color="#f0829c"] Se seu objetivo é comer mais saudável e diminuir o açúcar, não adianta mudar o tipo![/intense_icon_list_item] [/intense_icon_list] Se você quer diminuir açúcar você deve mudar seu paladar. Não adianta permanecer comendo doces sempre. Qualquer tipo de açúcar vai trazer a mesma resposta no seu metabolismo e fazer você ter cada vez mais vontade de comer doce. [intense_icon_list] [intense_icon_list_item type="star" size="1" color="#f0829c"] Xilitol não é natural.[/intense_icon_list_item] [/intense_icon_list] Ele é fabricado por indústria e passa por processos químicos até ficar aquele granulado branquinho que você compra a um preço alto. Ah, boa parte dele é subproduto do milho - alô você que foge de transgênico e consome xilitol 🙄. Além disso, é um produto novo e nós não sabemos o que o consumo em grandes quantidades vai acarretar. Lembre-se que aspartame, sucralose e sacarina quando surgiram eram inofensivos e hoje temos estudos grandes relacionando eles com obesidade (veja referência no fim do post). [intense_icon_list] [intense_icon_list_item type="star" size="1" color="#f0829c"] Pode causar indigestão, gases e diarréia.[/intense_icon_list_item] [/intense_icon_list] Pelo fato dele não ser digerido e promover fermentação, muitas pessoas não se sentem bem ao consumir. Sintomas como estufamento, cólicas, diarreia, gases e constipação são comuns. Claro que isso varia de pessoa para pessoa, mas se você tem intestino sensível ou disbiose (que a maioria das pessoas tem) o consumo FREQUENTE e/ou EXCESSIVO vai trazer sintomas desagradáveis. Se você tem intolerância à lactose, doença celíaca, síndrome do intestino irritável, fique de olho no consumo! Alimentos que causam irritação no intestino afetam o equilíbrio da sua microbiota, aumentam a permeabilidade intestinal e podem diminuir a imunidade. Aí você pode estar se perguntando: "Flavia, então você é contra o xilitol?" Não, amigo! Eu sou contra o uso indiscriminado dele. A minha opinião para QUALQUER alimento é: saiba dosar e varie as opções!!! Melhor que comer um doce por dia com xilitol é dividir com as pessoas que você gosta um doce com açúcar mascavo/melado/demerara eventualmente! ✌🏼❤️ Referências: Substitutos ao açúcar ligados a obesidade Tabela de valores de Índice Glicêmico e Carga Glicêmica
Leia Mais >

Depoimentos de Alunos

Conecte-se nas minhas redes sociais