Intestino – o segundo cérebro

Intestino – o segundo cérebro. Meus destaques para a reportagem da revista Superinteressante

O intestino, e sua surpreendente influência na nossa saúde, foi o tema da matéria de capa da revista Superinteressante de julho deste ano. A reportagem traz muitas informações interessantes, e vou dividir com vocês uma espécie de resumo com o que mais me chamou atenção.

Metros de complexidade

Em geral, não temos noção da complexidade do nosso sistema digestivo. Para que ele fosse capaz de extrair energia dos alimentos, foi evoluindo até desenvolver o sistema nervoso entérico. Essa rede de neurônios “pavimenta” todo o trajeto dos alimentos no nosso corpo, ou seja, 6 a 9 metros. São muitos processos a serem regulados: enviar sinais de fome e saciedade, liberar sucos gástricos no estômago, orquestrar os movimentos do intestino, extrair nutrientes e descartar resíduos, entre outros. Além disso, nosso corpo abriga uma população de bactérias – a microbiota – que desenvolve vários papeis, entre os quais a digestão é o mais conhecido e estudado. São mais de 300 espécies que precisam estar em equilíbrio, caso contrário, podem se relacionar a vários problemas de saúde.

Problemas e soluções dentro da barriga

A revista traz vários estudos – uns em humanos, outros não –  que relacionam a microbiota à stress, ansiedade, humor, depressão e sono, e até a Alzhaimer, Parkinson, autismo, obesidade e câncer. Mas o texto destaca que, em alguns casos, a diferença na população de bactérias pode ser tanto a causa quanto mera consequência dessas doenças, e que ainda são necessários outros estudos para esclarecer essas relações. De qualquer forma, esses exemplos evidenciam a importância de manter tudo equilibrado e regulado na nossa digestão.

Convivendo com as amigas bactérias

A descoberta dos antibióticos revolucionou o mundo, mas trouxe efeitos colaterais. Esses medicamentos podem causar perda da diversidade da microbiota, alerta a reportagem. O texto termina sugerindo que, entendendo a importância das bactérias, possamos controlá-las usando menos remédios, e mais a alimentação. E isso tem tudo a ver com o que eu e, acredito, a maioria de vocês, pensamos e praticamos.

Curiosidades:

– Nosso sistema digestivo tem meio bilhão de neurônios e mais de 30 neurotransmissores, incluindo 50% de toda a dopamina e 90% da serotonina presentes no organismo;

– Um homem de 70 kg e 1,70m possui aproximadamente 30 trilhões de células humanas e 39 trilhões de bactérias.

A Revista Época já publicou uma matéria semelhante, só que bem mais sucinta. Ela está disponível aqui

Confira também esses outros posts do blog, que são relacionados ao tema:

– Síndrome do intestino irritável e alimentação

– Intestino preso – muito além das fibras

– O que é intestino hiperpermeável

– Disbiose intestinal

Esse é um tema muito complexo, e está em alta hoje em dia, sendo tema de várias reportagens. Leu alguma interessante? Conta pra gente o que achou, ou deixa o link para trocarmos ideias ;).

Acompanhe o Lactose Não nas redes sociais também, tem sempre post novo!! Youtube, Facebook, Instagram.

Sobre o Autor

Carla Vailatti

Carla Vailatti

Oi, eu sou a Carla Vailatti, jornalista e intolerante à lactose. Vivo em negociação com meu corpo, porque tento ouvi-lo, mas ele pede muito chocolate. Acredito que todos precisamos buscar informações para sermos protagonistas da própria saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *