Oiii!! Eu sou a Flavia Machioni, Health Coach e especialista em cozinha natural.

Sou formada em Comunicação Social pela UFPR, mas foi na cozinha que minha carreira começou de fato.

Comecei esse espaço sem muitas pretensões além de compartilhar conteúdo e invenções na cozinha depois de descobrir ter intolerância à lactose… mas como a vida é imprevisível, o hobby que começou em 2012, hoje é minha empresa, carreira e profissão 😄.

Se você está curioso para saber como alguém formada em comunicação acabou criando uma empresa de educação em saúde e alimentação, vem comigo! Prometo resumir a história.

Como tudo começou

Eu descobri minha intolerância à lactose em 2011 e de lá pra cá muita coisa mudou, você pode ver como foi a descoberta aqui. Nos anos seguintes, eu procurei maneiras de continuar comendo o que eu sempre comi – ou seja, doces, queijo e molho branco 😂- mas sem lactose, e foi assim que criei o Lactose Não.

O simples fato de ter que eliminar os lácteos da cozinha, já me trouxe desafios enormes. Não sabia nem o que usar num simples bolo já que leite e manteiga já não tinham lugar.

Fiz cursos de culinária natural no The Natural Gourmet Institute em Nova York, especialização em Cuisine Santé no Centro Europeu em Curitiba e me formei em Health Coach no Institute for Integrative Nutrition, dos EUA.

Nesses anos que trabalho com o blog e busco meu bem-estar e a cura para meus desconfortos, percebi que a alimentação vai muito além do que escolhemos colocar ou tirar do nosso prato.

Tudo o que passei me fez buscar conhecimento e estudar a relação do alimento com nossa saúde e a relação do nosso ambiente com qualidade de vida.

De 2013 a 2017 viajei o Brasil levando minha aulas de culinária natural sem glúten e lactose, desenvolvi cardápios e prestei consultoria para pequenos restaurantes e empreendedores, dei aulas particulares na casa de dezenas de pessoas para ajudá-los a incorporar uma alimentação natural, saudável e deliciosa no dia-dia.

Mas não são só receitas que fizeram eu conquistar meu bem-estar, ressignificar meu relacionamento com a comida foi extremamente importante. Foi só assim que consegui começar a viver com equilíbrio, sem medo ou culpa na hora da refeição.

O meu objetivo é mostrar aqui o mundo de possibilidades que nos é apresentado quando fugimos do convencional e tradicional, seja através da alimentação ou do nosso estilo de vida.

A grande verdade é que descobrir a intolerância à lactose me despertou para um universo de cuidado e amor próprio que jamais imaginei!

Minha saúde e intolerâncias alimentares

Quando criei o Lactose Não, em 2012, eu sabia ter intolerância à lactose, mas a verdade é que, a lactose se tornou a porta de entrada para um universo que jamais imaginei existir 😊.

Desde criança eu tenho problemas de digestão. Vivia com dor na barriga, sempre enjoada, tinha muita constipação.. acho, inclusive, que meu hábito de tomar tanta água começou aí, porque era o que os adultos sempre falavam pra eu fazer: tomar bastante água e comer mamão para conseguir ir no banheiro 😂.

Além disso, minha imunidade não era das melhores. Volta e meia estava com dor na garganta e resfriada.

Apesar de tudo isso, mesmo indo em diversos médicos, nenhum conseguia explicar o que tinha. Fiz diversos exames, várias investigações, desde desequilíbrio hormonal e de tireóide a teste de labirintite, mas nada de diagnóstico ou explicação. Aceitei que aquela era eu: sempre com mal-estar.

Até que em 2011 resolvi ir em mais um gastroenterologista e este solicitou o exame de intolerância à lactose. Fiz, deu positivo. Conto sobre ele aqui.

Voltei para o consultório e ele falou algo como:

“Flavia, você tem intolerância à lactose. Isso quer dizer que seu corpo não digere bem os derivados lácteos. Mas se você comer você não vai morrer. Se tiver com muita vontade toma essa enzima aqui (era a lactase) um pouco antes de comer e pronto.”

Saí pensando: “Ok, não parece tão ruim”.

Continuei com minha vida normal. Comia uma coisinha ali, outra aqui, tomava a enzima. Continuei passando mal, mas já estava acostumada. Afinal, é assim desde que me conheço por gente.

Mas, na época que recebi o diagnóstico a legislação de rotulagem não obrigava os fabricantes a serem bem claros sobre a presença de leite e outros alergênicos. Por isso, tive que aprender a ler rótulos para encontrar mais informações sobre o que poderia ou não comer.

Isso despertou em mim um interesse que até então não era muito grande: entender o que, de fato, eu comia quando comprava os saquinhos e pacotinhos coloridos do mercado. Não sei se você também passou por essa fase, mas naturalmente eu comecei a selecionar mais o que comprava – eram tantos nomes esquisitos que até assustava!

Fora que percebi que produtos que não faziam o menor sentido ter leite tinham. Como salsicha, presunto, salame e até batata frita de pacotinho – tudo bem, nada disso era saudável, mas era o que eu estava acostumada a comer na época.

Em 2013 tive uma super crise e vi que algo ainda estava errado, como contei aqui. Continuar consumindo derivados lácteos, mesmo com a enzima e em menos quantidade, e a minha dieta que era pobre em verduras e legumes e rica em açúcares e farinhas, promoveu um estado de disbiose intestinal muito forte.

Dali em diante, passei anos tentando recuperar a saúde do meu intestino. A disbiose era tão grande que tive síndrome fúngica e candidíase de repetição, como contei aqui.

Não bastasse isso, comecei a reagir a alimentos que antes não reagia, como a proteína do leite e o glúten.

E o glúten?!

A hiperpermeabilidade do meu intestino (um quadro chamado de leaky gut no inglês) promoveu um estado de inflamação que, ao enfraquecer as vilosidades intestinais (tipo uns “cílios” que protegem a parede do intestino) essas moléculas de proteínas mais difíceis de digerir passavam para a corrente sanguínea e iniciavam um processo inflamatório.

Fiquei 5 anos sem consumir glúten a procura de um diagnóstico de Doença Celíaca, que finalmente foi descartada em 2018 – depois de eu ter criado coragem de voltar a consumir glúten e refazer todos os exames (sanguíneo, endoscopia com biópsia e enteroressonância), como contei aqui.

Não foi um caminho fácil, nenhum pouco. Mas foi importantíssimo não só para meu crescimento pessoal como para o profissional.

Não bastasse a falta de conhecimento de alternativas culinárias, eu não sabia como lidar com as frustrações e desafios que as restrições alimentares trouxeram.

Por isso, nos últimos 7 anos, tenho estudado e aprendido muito sobre cozinha natural, nutrição e a ligação do que comemos, sentimos e fazemos com nossa saúde.

Aprendi a cozinhar sem glúten e assim desenvolvi muitas receitas que publiquei aqui, no Instagram, YouTube e ensinei em meus cursos presenciais. Mas mais que isso: eu aprendi a comer e me relacionar pacificamente com a comida!

A transformação da minha saúde e vida a partir da cozinha

Em setembro de 2016, me formei em Health Coach pelo Instituto de Nutrição Integrativa (IIN/USA), e lá fui apresentada ao conceito de nutrição holística – que mudou minha vida e a maneira como me relaciono com o alimento.

Com tudo o que tenho vivido nos últimos anos, eu senti muita necessidade de ir mais além. O início da minha trajetória foi pela alimentação, e por motivos de saúde – meu corpo estava dando sinais de que algo estava muito errado. Passei os últimos cinco anos tentando descobrir o que era, e hoje, mais do que evitar os alimentos que meu corpo não digere bem e que por isso enfraquecem minha microbiota intestinal, eu percebi que existe outro tipo de “alimento” que pesa bem mais do que o que escolho colocar ou não no meu prato.

A maneira como encaro a vida e as dificuldades que passo, o gerenciamento do estresse, meu relacionamento com minha família, meu convívio social, as cobranças que faço ou deixo de fazer em relação a minha aparência, tudo isso também me nutre, também é alimento.

E é assim para todos nós 😊.

Então se você por algum motivo chegou até aqui e leu este depoimento, talvez seja porque você está pronto para ver que nossa alimentação vai muito além da comida, MUITO além.

  • Talvez você esteja como eu estava em 2011, com sua intolerância recém descoberta e sem saber por onde ou como começar. Neste caso, veja este post aqui.
  • Talvez você esteja como eu fiquei entre 2012 e 2017, procurando maiores explicações porque continuava passando mal. Você pode ver este post aqui.

Hoje, como Health Coach o meu objetivo é conscientizar quem estiver disposto e pronto para esse despertar, para retomar a responsabilidade que temos por nós mesmos e nossa saúde e finalmente viver a vida equilibrada e saudável que merecemos e queremos!

Uma coisa eu afirmo com toda a certeza do mundo já que sou prova viva: não adianta só eliminar alimentos ou acreditar que o problemas está no nosso prato. Ele é apenas um espelho da nossa vida! Temos que ir na causa para conseguir viver plenamente e feliz – sem sofrimentos.

Eu quero mostrar pra você como cuidar do seu intestino, controlar o seu estresse, fazer escolhas alimentares mais conscientes e ter mais qualidade de vida através de hábitos saudáveis ❣️. 

Meu maior objetivo com meu trabalho é poder ajudar pessoas que também estão buscando um estilo de vida saudável e equilibrado.

Aqui no site e em minhas redes sociais, eu divido meu dia-dia, criações, reflexões e dicas práticas para você começar a mudança aí na sua casa!

As receitas que desenvolvo são para incluir quem também precisa evitar algum grupo alimentar e por isso aqui você encontra delícias fáceis, nutritivas naturais e com opções sem glúten, lactose e ovos.

Além disso, aqui você vai encontrar dicas e artigos sobre saúde, alimentação e estilo de vida. 

Nos menus aqui em cima as informações estão divididas por assuntos e caso queira procurar algo específico utilize o campo de busca. Caso não encontre o que estava procurando me mande um email clicando aqui ou utilize o formulário de contato.

Não esqueça que sua história e opinião pode me ajudar e ajudar outros, então fique à vontade para dividir aqui nos comentários 🙂

Super beijo

Flavia.

Seja bem-vindo!!

Ps.: NÃO FAÇA NENHUMA MUDANÇA EM SUA ALIMENTAÇÃO OU ESTILO DE VIDA SEM CONSULTAR MÉDICOS E PROFISSIONAIS DA SAÚDE.