Tratamento para candidíase recorrente

Dando continuidade a série de posts desta semana, hoje vou falar sobre o tratamento para candidíase recorrente que eu fiz.

Contei no post 1 e 2 o porquê estou com candidíase e como foi quando descobri que estava com candidíase intestinal. Hoje então, vou contar quais foram as estratégias passadas pela minha nutricionista da época, Juliana Trevilini (contato dela aqui).

Lembrando aqui que, como sempre, estou contando a minha experiência. Sempre tive acompanhamento profissional e estes relatos são para informar. Não faça nenhuma mudança em sua dieta ou tratamento sem acompanhamento especializado.

O primeiro tratamento para candidíase que fiz, na verdade a primeira tentativa, foi em setembro de 2014. Na época consegui manter o tratamento por apenas 16, dos 30 dias que precisava. Por isso minha melhora efetiva levou tanto tempo, tive várias recaídas e acabei não fazendo exatamente como devia para que a melhora fosse mais rápida. Nessa época, quando não seguia o tratamento bem certinho, tive diversas crises que precisei incluir pomadas e medicamentos – tudo com orientação médica! Não deixe de consultar um profissional da saúde para avaliar o seu caso individualmente.

O tratamento para candidíase recorrente é basicamente através da alimentação!

Se você quer saber como eu consegui me curar da disbiose/síndrome fúngica, clique aqui e faça parte da minha lista de e-mails VIP. Vou te contar os três segredos que me ajudaram MUITO.

O que aprendi, resumindo em um único conselho, é:  corte o açúcar e coma comida de verdade, rica em nutrientes!

Para ideias de receitas de café da manhã e lanche sem glúten, leite, açúcar e carboidratos refinados para auxiliar no tratamento, compre meu e-book Tchau Candi. São 18 receitas + dicas por R$24,90. Clique aqui para comprar.

A cândida, como vimos no post de ontem, é um fungo e fungos se alimentam de açúcar. Portanto, quanto mais açúcar você consumir, mais felizes seus fungos ficarão, mais difícil vai ser você eliminá-los e trazer o equilíbrio de volta ao seu intestino.

Estou falando de TODOS os açúcares, viu? Não tem mascavo, demerara, mel, melado, de coco, agave, frutas secas – nadinha!! Todos são açúcares e todos vão alimentar o fungo e deixar o seu tratamento bem mais lento e chato. Frutas também entram nessa.. banana, melancia, abacaxi, caqui, uva, essas e outras frutas também vão ter que ser evitadas por um período.

Farinhas brancas e refinadas também precisam ser evitadas a todo custo. Tapioca, polvilho doce, polvilho azedo, farinha de trigo, farinha de arroz, fécula de batata, amido de milho – todas vetadas até segunda ordem. Todos esses alimentos vão promover fermentação no seu intestino e você vai ficar com mais desconfortos e estufamento.

Além do açúcar ser o melhor alimento para os fungos, ele ainda é super inflamatório. Então, se você é como eu e tem doença celíaca ou alguma intolerância alimentar, sua predisposição a inflamação intestinal já é bem grande. Você não precisa aumentar ela com consumo de açúcar e carboidratos simples.

É por isso que eu me incomodo TANTO com perfil de receita no Instagram e pessoas que começam a comercializar “Doces do bem” sem glúten e lactose dizendo que são saudáveis. A ideia de que intolerantes, celíacos e alérgicos, podem consumir açúcar de boa me dá arrepios pelo simples fato que eu sei o estrago que isso faz com a gente. Sei porque eu vivi o estrago e também porque estudei sobre o que o consumo de determinados alimentos fazem no nosso metabolismo.

A verdade é que não é só com a gente, né? O açúcar e os carboidratos refinados são os maiores responsáveis pelo aumento de doenças crônicas não transmissíveis (diabetes, obesidade e cardiopatias).

Eu sei como é difícil diminuir o açúcar e eliminar ele da nossa dieta, desde o dia 1 aqui do blog que as receitas que mais publico são doces… sempre fui muito formiga. Mas, é exatamente por esse fato que eu afirmo com toda certeza que é possível. Se eu consegui, você também consegue.

Aproveite e compre o e-book com receitas de café da manhã e lanche sem glúten, leite, açúcar e carboidratos refinados para auxiliar no tratamento! Apenas R$24,90, clique aqui. 

Este é o terceiro post de uma série de 7 sobre candidíase, intolerâncias alimentares e intestino. Confira o primeiro post e segundo post.

Veja aqui como eu consegui diminuir o açúcar. Vou dar dicas práticas e ajudar você 🙂

Não esqueça que lá no Instagram estou postando dicas e receitinhas, tudo com a #tchaucandi.

Um beijo e até amanhã.

Confira receitas inéditas toda semana no meu canal do YouTube.

Sobre o Autor

Flavia Machioni

Flavia Machioni

Eu sou a Flavia, autora do Lactose Não. Sou especialista em cozinha natural, Health Coach formada pelo IIN/NY e Relações Públicas de formação. Faz 7 anos que venho mudando meu estilo de vida para ter mais saúde e bem estar e divido grande parte desse caminho aqui e em minhas redes sociais.

10 comentários em “Tratamento para candidíase recorrente

  • 11 de maio de 2017 at 12:32
    Josy Cris Maciel

    Nossa e o que pode comer??

    Reply
    • 11 de maio de 2017 at 12:46

      Oi!! Falarei nos próximos posts, mas basicamente você pode comer comida de verdade 🙂

      Reply
  • 11 de maio de 2017 at 12:49
    Deborah Crominski

    Flavia, parabéns pelo ótimo conteúdo, com muita qualidade de informação! É por isso que acompanho suas postagens já há alguns anos!

    Eu tenho uma dúvida: você fala muito do consumo do açúcar como uma das causas das inflamações. Nessa se incluem as frutas? Como frutas da época todos os dias, desde abacate, caqui, abacaxi, e por aí vai… isso é ruim? O consumo de frutas acarreta também nessas inflamações?

    Muito obrigada!

    Reply
  • 11 de maio de 2017 at 13:43
    Claudia

    O uso de xylitolvé permitido? Tenho disbiose e está complicado tirar todo o açúcar!

    Reply
  • 11 de maio de 2017 at 15:47
    Lilia

    Agora fiquei super curiosa! Sem açúcar e sem nenhuma farinha como será o café dá manhã?
    Flávia, não deixa a gente curiosa hein. 😊

    Reply
  • 12 de maio de 2017 at 10:59
    Fabiane Alves

    Eu sofro exatamente desse mal. Cortamos o gluten e o leite de vaca e eu senti uma melhora, mas ainda continuo com os sintomas descritos só que bem mais moderados. Sinceramente não sei como retirar tudo isso da minha dieta. Preciso mesmo de ajuda. Mas onde encontrar um profissional que tenha esses conhecimentos e possa me ajudar? Ainda não tive esse privilégio e esse está sendo meu maior problema.

    Reply
  • 4 de junho de 2017 at 22:33
    Valéria

    Sofria a mais de 20 anos de candidiase e nenhum médico ou nutricionista resolveu. Até que assisti um vídeo do Dr. Lair Ribeiro dizendo que mulher que toma água de coco todos os dias não tem problema ginecológico, resolvi experimentar.
    Passei a tomar uma água de coco todas as manhãs em jejum, senti melhorar, mas quem comprovou a cura foi minha ginecologista quando me examinou, ela ficou espantada como minha mucosa estava perfeita, ela disse que só via assim em fotos de livros mostrando a mucosa perfeita, em mulheres ela não via assim.
    Quando fico alguns meses sem tomar a água e coco e abuso do açúcar volto a ficar doente.
    A água de coco é o melhor fungicida natural, detalhe, eu abro o coco na hora e bebo.
    Melhoras para vocês.
    Bjs

    Reply
  • 16 de novembro de 2017 at 16:35
    Paula

    O que você come em intervalos rápidos Flavia?
    Parabéns pelo blog, (e pela vida saudavel) acompanho sempre.

    Reply
  • 12 de maio de 2018 at 10:07
    Camila

    Estou há 60 dias sem nenhum açúcar e nenhuma farinha e continuo tendo candidíase todos os meses!! Não sei mais o que fazer!!

    Reply
    • 21 de maio de 2018 at 17:39

      Oi! Consulte médico e nutricionista para te auxiliarem no tratamento.
      BJs

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *