Por que não cortar o glúten

Oiii amigos!!!

Faz um bom tempo que não venho atualizar como está minha história em busca de diagnóstico de alergias alimentares, né? Então hoje eu vim contar como estou e falar por que não cortar o glúten da alimentação sem acompanhamento médico.

Antes de tudo quero deixar claro meu objetivo com esse relato. Quero dividir com mais pessoas o que aconteceu comigo porque sei que assim como eu, muitos de vocês estão passando pelo mesmo!

Meu objetivo é trocar informações, trocar ideias e mais do que tudo: nos apoiar! Eu sei como tudo isso é desgastante, eu sei que dá vontade de desistir, voltar a comer tudo e pronto! Mas gente, sério, o melhor que podemos fazer é respeitar nosso corpo, nos conhecer, saber o que nos faz bem ou não.

Então vamos lá, pega um cházinho e “senta que lá vem história” (hihihi).

Já fiz alguns posts contando um pouco da minha história, mas vou resumir aqui e colocar mais alguns fatos que ainda não tinha dividido, mas que são importantes para contextualização de alguns pontos.

Eu passo mal desde pequena. Sempre tive muitos problemas digestivos, muito enjôo, volta e meia a barriga inchava e virava um balão, tinha dores e constipação. Mas não era só isso, sempre tive muita amidalite, dor de garganta, imunidade sempre baixa, alergias mil na pele, e na minha dolescência inteira tive problemas com cortisol, TSH (tireóide) e alterações no labirinto.

“Nossa Flavia, você tava na pior, hein?”. Pois é, amigo, mas quem olhava não dizia nada disso. Sempre fui pequena, mais magrinha, e como nenhum médico sabia explicar ou encontrar a causa de tudo isso, sempre diziam que era normal. Eu comecei a aceitar que era normal mesmo, que ter todas essas alterações e me sentir mal depois de todas as refeições era como eu era.

Já comentei algumas vezes que meu pai faleceu, aos 42 anos, de câncer no intestino. O que faz com que eu tenha que fazer colonoscopia e endoscopia todo ano, para acompanhamento.

Em uma dessas consultas, depois de ter passado muito mal por algumas semanas, um gastro pediu o exame de Intolerância à Lactose. Já contei aqui. Depois, como também já contei, descobri que tenho alergia tardia à proteína do leite e sensibilidade ao glúten. E é neste ponto que paramos.

Infelizmente fui orientada a retirar o glúten da dieta sem fazer os exames de Doença Celíaca antes, o que torna muito mais difícil o diagnóstico. Nos últimos 2 anos e meio, além de não comer mais glúten, eu trato meu intestino com alimentação, vitaminas, minerais e probióticos. Já vamos voltar a esse assunto!

No meu último post contei que consumi glúten e lácteos por 2 dias para refazer os exames, passei mal pelos outros 15 e tudo deu negativo. Nesse momento tinha aceitado que não precisava de um papel me dizendo se tenho ou não Doença Celíaca ou qualquer sensibilidade ao glúten para aceitar o fato.

Mas eis que volta e meia eu me sinto mal e a pulga atrás da orelha voltou, então resolvi ir no melhor médico especializado em doença celíaca de Curitiba. Marquei consulta e 6 meses depois fui.

A primeira consulta foi ótima, ele pareceu me ouvir, me explicou tudo e me passou um monte de exames. Como viajo muito, o intervalo entre essa consulta e o retorno com os exames levou uns 2 meses. Para encurtar a história: foi tudo péssimo. Uma série de erros (de diversas partes), falta de vontade em entender meu lado, exames super desagradáveis que foram me pedidos mais de uma vez como se fossem tranquilos (inclusive pediu para eu refazer o de IL) e uma postura que além de me deixar mais triste ainda, me deixou indignada.

Tudo isso pra ter apenas o marcador genético positivo, uma endoscopia onde deu vários pontos de inflamação, pólipo no estômago e que no fim ele queria que eu tomasse Omeprazol todo dia. Ah, além de querer que eu voltasse a comer glúten, pois assim inflamaria meu intestino e quem sabe conseguiríamos o teste positivo. Desisti, ÓBVIO.

Até que a vida, cheia de surpresas, me colocou hoje em contato com o Dr Daniel Boarim. Vim conhecer o Lapinha Spa (próximo post vou falar sobre a alimentação aqui) e, dentre os diversos profissionais de saúde com quem me consultei, a consulta final foi com ele.

Cheguei na consulta sem esperar nada, porque depois de tanto médico ruim e despreparado a gente simplesmente perde a vontade de falar qualquer coisa, mas ele foi falando e eu fui vendo que ele estava atualizado sobre o assunto de intolerâncias alimentares, principalmente em relação ao glúten.

Conversamos e ele foi enfático ao falar que com todo meu quadro e histórico, que fica muito claro que eu tenho que evitar o glúten e que no mínimo tenho uma sensibilidade não-celíaca ao glúten, que é quando temos diversos sintomas mas os exames dão negativos.

Desde que comecei o blog eu tenho estudado muito sobre o assunto, participo de congressos, leio artigos, livros e tive aulas no meu curso de Nutrição Integrativa com alguns dos melhores pesquisadores e médicos dos EUA. Na comunidade internacional já é bem mais difundido esse conceito de “níveis” de sensibilidade ao glúten, e estão desenvolvendo padrões de diagnóstico e de tratamento para cada caso.

Além disso, fim de maio me consultei com o Dr. Victor Sorrentino, endocrinologista focado em medicina preventiva,  e conversamos bastante. Ele me apoiou na decisão de não prosseguir na investigação da Doença Celíaca e me passou vários tratamentos para equilibrar meus hormônios, vitaminas e minerais, que depois de tantos anos nessa montanha-russa precisam de um auxílio. Estou começando o tratamento este mês (mês passado viajei e não consegui) e dou notícias em breve!

Se posso deixar um conselho: se você tiver qualquer suspeita não corte o glúten antes de procurar auxílio profissional de qualidade. Não é questão de moda, não é dieta para emagrecimento e nem para nada que não seja por saúde. O glúten é inflamatório, e para quem tem reação, é perigoso e silencioso.

A Doença Celíaca tem MUITOS sintomas, desde anemia frequente, à dermatite, osteoporose, mal funcionamento de rins, infertilidade, queda de cabelo, cansaço, fibromialgia, além dos gastrointestinais. Portanto, se por algum motivo você desconfiar que o glúten te faz mal, uma ideia que deixo é entrar em contato coma Associação de Celíacos da sua região ou em contato com a Fenacelbra (Federação dos Celíacos do Brasil), e peça auxílio.

Não tem nada melhor do que se sentir bem, do que comer e não morrer de dor depois, do que não ficar doente a cada 2 meses, do que estar disposto, com energia, saúde!

Mas acima de tudo lembre que a única pessoa que realmente sabe o que acontece no seu corpo é você mesmo. Você precisa ficar atento aos sinais, se conhecer e querer o seu bem! Não importa o que o exame disse, o que o médico Y melhor do sul do universo contestou, o que sua família/amigos acham. Você sempre sabe o que te faz bem e o que te faz mal, basta estar consciente.

Assista abaixo o vídeo que gravei contando sobre meus diagnósticos, exames e sintomas que tinha.Já aproveita e se inscreve no meu canal do Youtube 😉

Só para finalizar, aqui fica minha sugestão para grande parte dos médicos: atualizem-se, respeitem os pacientes e se interessem genuinamente por nossa história. Lembrem que mais que seguir exames “padrão outro, prata ou bronze” o objetivo deveria ser nos auxiliar a retomar nossa saúde.

E amigos, não desistam em procurar seu bem-estar! Nós estamos nesse mundo para sermos felizes, plenos e viver em paz.

Se tiver dúvidas ou quiser apenas compartilhar sua história, deixe aqui nos comentários!

Quer acompanhar mais das minhas dicas e receitas? Me segue no Instagram e Facebook também, sempre posto coisas novas 😉

Um beijo, com carinho!

Sobre o Autor

Flavia Machioni

Flavia Machioni

Eu sou a Flavia, autora do Lactose Não. Sou especialista em cozinha natural, Health Coach formada pelo IIN/NY e Relações Públicas de formação. Faz 7 anos que venho mudando meu estilo de vida para ter mais saúde e bem estar e divido grande parte desse caminho aqui e em minhas redes sociais.

16 comentários em “Por que não cortar o glúten

  • 30 de setembro de 2018 at 10:05
    Amanda

    Olá Flávia,li seu post e adorei as informações,queria entender,se a pessoa para de consumir glúten ela se torna intolerante também?É verdade que o glúten está ligada a doenças psicológicas como ansiedade e síndrome do pânico?
    Obrigada por sempre passar tantas informações boas e seguras,Bjs!

    Reply
    • 8 de outubro de 2018 at 20:57

      Oi Amanda!
      Não conheço evidência científica que comprove nenhuma das afirmações: nem que quem para de consumir se torna intolerante e nem que o consumo está ligado a essas doenças.
      O que tem evidência científica é o papel da saúde intestinal, mais especificamente da microbiota intestinal, na manutenção da saúde, diminuição de doenças e de uma boa digestão. Mas isso não quer dizer que é o glúten, tem diversos fatores e alimentos envolvidos.

  • 6 de julho de 2016 at 10:37
    Tathiana

    Primeiramente, fiquei indignada com seu comentário Ana
    Fiquei anos em busca de um diagnostico, já passei por muitos médicos e nutricionista, já gastei muito dinheiro com esses profissionais, que infelizmente, estão muito desatualizados nessa área. Depois de muito tempo tive um dignóstico de doença celíaca, e pra resumir depois de dois anos passei por um outro medico que me pediu uma nova endoscopia e disse que eu não tinha mais doença celíaca, que eu poderia voltar a comer glúten. Já estava há dois anos sem comer glúten e ele queria que o resultado fosse positivo novamente.
    Não te conheço Flavia, mas te acompanho há dois anos e todas as suas dicas foram as que realmente me ajudaram a melhorar minha saúde, os profissionais de saúde hoje precisam se reciclar, eu sei que isso custa dinheiro, mas se essa foi a profissão que você escolheu, arque com as consequências.
    Os bons profissionais são sempre reconhecidos. O problema que isso é uma raridade hoje.

    Reply
  • 4 de julho de 2016 at 22:11
    Roberta

    Oi Ana dona da verdade
    Bons profissionais nunca são desvalorizados.
    Pode ter certeza que os melhores estao com a agenda cheia.
    É a sensibilidade com o problema dos outros que está faltando em muitos profissionais.
    So quem vive sabe como é difícil.
    Estamos aqui para nos ajudar porque profissionais competentes está difícil de encontrar.

    Reply
  • 4 de julho de 2016 at 15:31
    Carla

    Ana, os conselhos da blogueira me ajudaram mais que a grande maioria dos médicos que eu já fui na vida, infelizmente. Isso que eu tenho a sorte de ter um gastro atualizado e que não prioriza tratamentos com medicamentos para mascarar sintomas. Esses dias fui na ginecologista e relatei que estava sentindo mais inchaço que o normal. Em menos de um minuto ela colocou na minha frente uma caixa de anticoncepcional, sem ter visto sequer um exame meu. Isso é só um dos tantos atendimentos mal feitos que recebi de profissionais da saúde, que diagnosticaram e receitaram medicamentos com base em nada. Nessa realidade, a melhor opção que vejo é mesmo assumir a responsabilidade, muitas vezes.

    Reply
  • 3 de julho de 2016 at 22:02
    Patricia

    Olá, também estou passando por isso. Tenho problemas digestivos relacionados ou leite desde criança e com o passar dos anos piorou, faço exames e não tenho diagnóstico, o gastro me diagnosticou com colite crônica e por ele eu estaria tomando corticoides e prolife. Como sou enfermeira e tenho noção do que o uso contínuo de corticoide podem ocasionar me recusei e procurei uma nutricionista funcional. Melhorei muito, mas como é difícil manter a dieta restritiva! E quando tenho alguma recaída sempre demoro para melhorar novamente.

    Reply
  • 3 de julho de 2016 at 21:14
    ana

    Acho que antes de dar conselhos para médicos, você deveria melhorar sua formação.
    Blogueira dando conselho. Muito bom viu.
    Você acha que a gente lê dois livrinhos de prateleira e já vai diagnosticando as pessoas.
    Seja melhor. Faça um curso superior ou aprenda o seu lugar. A mas fazer um curso dá trabalho, gasta dinheiro e tempo.Melhor ser blogueirinha pensa que sabe tudo.
    O conselho de nutrição deveria caçar pessoas como você que só querem se promover em cima da doença.
    Você nem tem nada. Só usa que tem para fazer sua dietinha e se promover e ganhar coisas. Flavia você acha que os outros são idiotas, só você é a sabe-tudo.
    Eu sei disso, muito sabem e o conselho também vai saber.
    É por isso que nossas profissões são tão desvalorizadas, por causa de espertalhonas como você. E tem gente que ainda acredita.

    Reply
    • 4 de julho de 2016 at 11:53

      Oi “Ana”.
      Vou deixar seu comentário aqui para que todos vejam.
      Venha me criticar usando seu verdadeiro nome e e-mail, não ‘[email protected]”.
      Covardia e mentira é sinônimo de falta de caráter. Venha me criticar com argumentos e educação.
      Desejo que consiga evoluir como ser humano e quem sabe melhorar seu caráter.
      Um ótimo dia!

    • 12 de julho de 2016 at 11:05
      Paula

      Prezada Ana Sei da Verdade, você tem razão em alguns aspectos e posso dizer por experiência própria… por exemplo: “fazer um curso dá trabalho, gasta dinheiro e tempo”… concordo. Fui a uma gastro, em São Paulo – Capital, com queixas diversas, náuseas, diarreias, alergias que apareciam na pele após me alimentar, entre outros… a médica me solicitou alguns exames, incluindo o de intolerância a lactose. Fiz, passei muito mal e voltei ao consultório com os resultados. A profissional, que gastou dinheiro e tempo pra fazer seu curso de formação, folheou rapidamente os exames e, exatamente como você diagnosticou a Flavia, me disse: “Você não tem nada”. Pois bem, estudei outra área, que não tem nenhuma relação com a medicina, mas, não é impossível comparar os resultados com os parâmetros descritos no próprio exame. Exame esse, aliás, que ela não tinha nem visto a princípio, precisei lembrá-la que ele estava lá. Não me conformei e procurei por outra médica e, adivinhe a coincidência: a anterior tinha sido residente dessa nova e, a primeira coisa que ela me disse ao ler os exames que a outra solicitou foi: “Você é intolerante a lactose.”… interessante, não? Disse que os exames para outras possíveis intolerâncias que a anterior solicitou não tinha o detalhamento necessário… etc, etc, etc… e ficou com cara de espanto quando relatei o “Você não tem nada”, da colega dela.
      Então… eu, na minha humilde formação de Humanas, consegui ler o resultado que a cidadã que fez “um curso dá trabalho, gasta dinheiro e tempo”, mas, que não tem o menor interesse em relação aos seus pacientes. Ela, que fez um curso que dá trabalho, gasta dinheiro e tempo, não quis perder mais tempo ainda analisando os exames de uma paciente que estava pagando, chegou no horário, embora tenha sido atendida com atraso. Ninguém aqui, pelo que percebo, quer ser a dona da verdade… trata-se de um grupo de pessoas procurando qualidade de vida, inclusive, com a indicação de bons profissionais, que tenham interesse em ouvir e pesquisar os casos de pacientes a fundo, ao invés de diagnosticarem pessoas que nunca atenderam com o “Você nem tem nada”. Aliás, pergunte ao conselho se esse diagnóstico que você fez da Flávia, via internet, é permitido. Me parece que não.
      Desculpe o texto imenso, Flavia.

  • 3 de julho de 2016 at 19:30
    Ana Carolina

    Nossa pensei que só eu estava na saga “A procura do medico perfeito”, a um ano atras eu fiz o exame de lactose e deu “positivo”. Mas continuei a passar mal. No começo do ano resolvi retirar o glúten, me sentia melhor… relatei ao medico que sem glúten eu me sentia melhor (não tinha gases, cólicas, diarreias), e como eu tinha feito exame de sangue para o glúten e deu negativo, ele falou que era para respeitar meu corpo, se meu corpo reagia melhor sem glúten era para ficar sem.
    Procurei outro gastro para ter uma 2 opinião. Não falou nada, Só passou o prolive.
    Procurei uma 3 opinião… esperei 3 meses a consulta pois falaram que era a melhor da cidade. Ai ela falou que eu NÃO era intolerante a lactose…. como assim eu fiquei 1 ano passando mal… na hora eu vi uma luz no fim do túnel (pois poderia ter uma qualidade de vida, poderia ter minha vida de volta), porem um medo de não saber o que eu tinha/tenho. Mas ela me deu um antibiótico… não sei porque, mas ela falou algo de bactéria/verme. Tomei e me deu muitas reações diarreia, tontura, náuseas. Voltei nela… ela me falou que minhas diarreias eram ansiedade, coisa da minha cabeça… Como assim??? Ela receitou o antibiótico para que? Ela não me pediu nenhum exame para descartar ela só tinha em mãos meu exame de lactose e o exame de sangue de glúten. Claro que a ansiedade pode influenciar… pois me alimentar virou um pesadelo, mas não é a causa…
    Os médicos não estão nem ai, nem olham para nossa cara, qdo olham falam que é virose, estress, ansiedade.
    Não sei o que fazer… estou completamente desanimada, confusa e perdida… Essa semana vou em um alergista… vou tentando, procurando.

    Reply
    • 3 de julho de 2016 at 23:30
      Giuliana

      Nossa entendo completamente você, leia meu comentario ali em cima que explica o meu caso… passei pela mesma coisa que vc =\
      O nutrologo que fui tb disse que eu nao era intolerante a lactose, sendo q o exame tava na mão dele e tipo, eu passo mto mal…
      A gente se sente perdida mesmo =\

  • 3 de julho de 2016 at 19:10
    Lili

    Oi, tenho lido várias coisas que o Dr. Victor está publicando e achei bem coerente. O tratamento dele é adequando alimentação, ou se preocupa mais em prescrever suplementos?

    Reply
    • 3 de julho de 2016 at 19:23

      Oi Lili!
      Ele trabalha com equipe de preparador físico, nutricionista e ele. O tratamento é completo.
      bjs

  • 3 de julho de 2016 at 18:46
    Giuliana

    Nossa Flavia como te entendo! Passo exatamente isso!
    Sempre tive diarreia crônica, muito cansaço, problemas na tireoide, problemas neurológicos (eu sempre desmaiei com facilidade, e tive algumas convulsões ), ciclo menstrual desregulado.
    Os médicos sempre diagnosticaram como ansiedade, e tomei por um tempo remédio para depressão, o que não adiantava em nada.
    Depois da minha pior crise de saúde, em que os desmaios eram frequentes e a diarreia estava me deixando muito cansada, parei de tomar esse remédio para ansiedade, e decidi me alimentar melhor (sem saber dos meus problemas com leite e gluten), comecei uma reeducação alimentar (eu vivia praticamente de fast food). Obviamente me senti melhor depois dessa mudança, emagreci 18kg (pois eu me alimentava “saudável” e fazia atividade física) mais a diarreia ainda existia …
    Fui fazer exames de sangue, e por indicação fiz exame pra saber se tinha intolerância a lactose, e deu positivo! Ai pensei “agora eu saro”… que nada! A diarreia continuou (diminuiu muito as dores, mas continuou).
    Foi quando , por um acaso , eu vi no instaram da Maíra Tavares , ela comentando sobre os alimentos “falsos saudáveis” que a indústria nos vente, e sobre o glúten.
    Foi quando decidi que iria cortar o glúten, e foi a melhor coisa que fiz na minha vida!
    Tudo sumiu, a diarreia, as dores de cabeça, meu ciclo menstrual regulou (o que pra mim foi incrível! Não tomo anti concepcional), fiquei 8 meses sem glúten e sem leite!
    Passei 8 meses sem comer fora, nem na casa de outras pessoa, só comida feita em casa, sem contaminação, e foi pra mim o céu na terra!
    Foi quando veio o natal… ano novo, e claro, comi o que podia… Passei mal, muito mal depois disso…
    Eu e minha mãe resolvemos que eu tinha que investigar se eu era celíaca. Pois mesmo fazendo dieta em casa, se eu comia fora (mesmo que não pegasse opções sem glúten) eu passava muito mal (e ainda passo).
    Fiz exames de sangue (que deu negativo), fiz coloendoscopia (que deu duodenite irregularidade nos fragmentos). Porem NENHUM medico soube me diagnosticar, fui em gastro, nutricionista (que por sinal falava que era “modinha” OI? Eu passo mal como isso pode ser modinha??), em nutrólogo (que me receitou pão e yakult pra comer, tipo??).
    Enfim, depois de MUITO dinheiro gasto eu decidi que me auto diagnosticaria. Como você disse, só a gente sabe o que faz mal para nosso organismo. E se alguém pergunta eu falo “tenho indícios de ser celíaca mais ainda estou investigando, por isso não como” … porque as pessoas olham para nossa cara como se fossemos “frescas”… o pior quando falam “só um pedaço não vai matar”… claro, porque não é ela que vai ter o organismo todo desregulado depois, que vai demorar 1 mês pra diarreia sumir….
    Enfim, eu fico feliz de uma certa forma de imaginar que não estou sozinha, e não sou a única… Sou de Curitiba e vou procurar esse seu médico.

    Eu tenho uma pergunta pra você, você também passa mal se come em algum lugar fora? Mesmo que seja na casa de parentes (mas que seja contaminado com glúten?).
    Obrigada pelo relato, e estamos juntas nessa <3

    Reply
    • 3 de julho de 2016 at 19:26

      Oii Giuliana!
      Obrigada por compartilhar 🙂
      O Dr Victor é de Porto Alegre, não atende em Curitiba.
      Sobre sua pergunta, de vez em quando passo mal sim. Mas depende muito da minha imunidade e do meu estado emocional.
      Já percebi que quanto mais equilibrada estou, em todos os sentidos, menos sintomas eu tenho.
      Bjs!

    • 3 de julho de 2016 at 23:35
      Giuliana

      Poxa que pena que ele não é de Curitiba =\
      Eu estou querendo me consultar com um médico que conheci em uma das reuniões da ACELPAR… estou com medo de ser esse melhor médico especializado em doença celíaca de Curitiba que você comentou =\

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *