Você sabe o que você come?

Oii gente!!!

Hoje vim falar sobre um assunto bem importante! Você sabe o que você come? Assim, não estou falando de tipo de comida – pão, frutas, carnes, etc. Estou querendo saber se você sabe realmente o que você está colocando no seu organismo.

Como já contei aqui no blog, eu só percebi o quanto a alimentação influenciava meu bem estar quando comecei a ver minha saúde piorando! Aqui em casa a alimentação nunca foi super saudável. A mudança aqui em casa partiu de mim, e hoje minha família entende melhor meu posicionamento e todos nos respeitamos e aceitamos, mas no começo não foi fácil.

Quem me conhece sabe como sou preocupada em consumir alimentos que me façam bem. Evito ao máximo o consumo de industrializados, não consumo e não sou a favor de comida de fast food, e se me derem trela eu desando a falar sobre os benefícios de uma alimentação sem industrializados e conservantes hahahah

Eu acredito de verdade que as pessoas se alimentam errado por falta de conhecimento. Não temos ninguém que nos ensine a diferença entre os tipos de gorduras, a importância da composição nutricional dos alimentos – e não a quantidade de calorias que ele tem, quais os tipos de carboidratos que existem e porque uns são mais saudáveis que os outros, etc.

Em contrapartida nós temos uma indústria alimentícia que nos oferece tudo de forma tão prática e rápida que não nos preocupamos nem em olhar os ingredientes que estamos consumindo. Aí que começa o erro!

Você já parou pra ler tudo o que você consome? Pegue algum dos industrializados que você tem em casa – pão, bolacha, macarrão, suco, refrigerante – e veja quantas palavras ali você não faz nem ideia do que seja. Depois pare e olhe a frente da embalagem e tente acreditar no “sem conservantes”, “zero gordura trans”, “valor reduzido de sódio” que eles estampam.

Depois vá além e tente entender o que a tabela nutricional está informando. Você sabe quais seriam as quantidades ideias de carboidratos, gorduras e sódio para o seu consumo?

A verdade é que a indústria de alimentos têm um poder enorme e consegue barrar muitos dos projetos de lei que tentam esclarecer melhor o que estamos comprando. Além disso nós temos na comida uma fonte de prazer, além de ser uma forma de nos socializarmos. O que torna difícil largar antigos hábitos, romper com padrões há tanto estabelecidos. Eu sei disso porque até hoje tem muita gente que me olha torto quando digo que não posso ou não quero comer determinado alimento!

Segundo uma reportagem da Revista Época (o link está lá embaixo) 48% da população brasileira está acima do peso e a obesidade – principalmente a infantil – tornou-se o maior desafio de saúde pública do Brasil. O SUS gasta R$ 488 milhões por ano para tratar a doença e 26 males decorrentes dela, como câncer, males cardiovasculares e diabetes. Vinte e seis males que são decorrentes da obesidade que é causada pela má alimentação!!!

A questão aqui não é estética, não é regime, não é padrão de beleza nem nada. É saúde, só isso. Quando falo sobre hábitos alimentares saudáveis eu estou focando na saúde. O resto é tudo consequência – a melhoria no humor, na pele, no cabelo, no sistema imunológico, em tudo.

Repararam que eu disse hábitos alimentares né? Pois é exatamente isso – HÁBITO. Não existe dieta, não existe isso de não comer carboidrato depois das 18h, de só comer proteína por duas semanas, de passar 8 dias só tomando líquidos. Não existe tá? Você não vai ser saudável assim, não vai se sentir bem e não vai emagrecer.

A mudança no hábito não é de uma semana para a outra, não é em seis meses. Ela é diária. Eu venho mudando meus hábitos alimentares há 3 anos, e estou em constante desafio, sempre mantendo meu foco – que é a saúde.

Bom, hoje só vim introduzir o assunto. Como vocês sabem nesses anos de blog eu já fiz muitos cursos de culinária natural, e além do meu interesse pela culinária funcional, orgânica e natural eu também estudo Nutrição Holística. Por isso volta e meia falo sobre e tento passar umas dicas simples que conseguem melhorar nossa saúde e alimentação 🙂

Para quem tiver interesse eu indico a leitura desses dois artigos, um sobre a indústria alimentícia e o outro sobre a realidade da obesidade no Brasil.

As indústrias tentam se livrar do sal, açúcar e gordura.

Pai gordo, filho obeso e neto acima do peso.

Também indico o site Fechando Zíper que faz a análise de diversos produtos industrializados e explica de uma maneira bem fácil de entender se são bons ou não e porque.

Por fim, indico esse documentário muito bom da Maria Farinha Filmes. Assistam, por favor! Ele é um pouco  longo mas é muito importante! Vocês sabiam que a expectativa de vida dos nossos filhos será 10 anos menor que a da nossa geração por causa de maus hábitos alimentares??

Gostou das minhas dicas? Me acompanhe também nas redes sociais, sempre posto coisas novas! Youtube, Facebook, Instagram.

Um beijo a todos e que seja o começo de uma semana com escolhas mais conscientes 🙂

 

Sobre o Autor

Flavia Machioni

Flavia Machioni

Eu sou a Flavia, autora do Lactose Não. Sou especialista em cozinha natural, Health Coach formada pelo IIN/NY e Relações Públicas pela UFPR. Há mais de 7 anos venho mudando meu estilo de vida e alimentação para ter mais saúde e bem estar. Divido grande parte desse caminho aqui e em minhas redes sociais.

7 comentários em “Você sabe o que você come?

  • 8 de abril de 2016 at 13:41
    Alessandra

    Muito bom o texto Flávia, ele me lembra de duas amigas que estão acima do peso mas que acham que essas dietas malucas é que vão resolver e e frustram quando não conseguem. E eu não consigo colocar na cabeça delas que a reeducação alimentar existe e é eficiente.
    Quem sabe um dia né? Bjo

    Reply
  • 28 de setembro de 2015 at 13:59

    Olá Flavia,
    É sempre bom ouvir suas histórias ao acompanhar seu processo em busca a saúde e bem estar. Eu tenho acompanhado você desde que fiz o curso da Eduk, gordices saudáveis. Em 2014 eu passei mal o ano inteiro, parava no atendimento do plano de saúde, ia de medico em médico, e os sintomas da intolerancia a lactose passavam despercebidas diante de uma gastrite bacteriana, mesmo depois de tratada continuava a passar mal. Eu casei me mudei do Rio para Fiortaleza, mais ou meno um ano depois que meu novo gastro suspeitou da intolerância e passou o exame. Eu passava mal do “nada”, mesmo não tendo comido nada de mais. Só em observar os efeitos de leite e derivados as minhas suspeitas aumentara. Quando fiz o exame passei mal quase que imediatamente, para falar a verdade passei mal da manhã até a noite. Brinquei com o marido, acho que já sei o que vai dar no exame. Levei um ano para entender por que passava mal de forma tão intensa e muitas vezes na rua. No incio foi um baque pois amo cozinhar e faço isso desde de os 7 anos de idade, principalmente se for doces. Imagina uma confeitaria sem leite. No incio foi difícil, hoje, se for sair levo meu remédio, em casa crio mil e uma receitas dentro do meu nível de intolerância a lactose. Quiz compartilhar a minha história contigo que sempre nos anima e nos diverte com as suas. abraços Danusa – RIO\ Fortaleza

    Reply
  • 22 de outubro de 2013 at 8:09
    Paula

    Flávia
    Adorei o post!!
    Lembra daquele post o que a IL me trouxe de bom?
    Pois bem a minha vida saudável rsrsrsrsrs
    Sei que é um busca para toda a vida, mas agora sinto a vida mais fácil, mais leve, depois do blog e vc, me apavorei muito, mas agora estou emagrecendo como já te disse antes já se foram vários kilos e continuo emagrecendo gradualmente mas agora com mais saúde, disposição e felicidade principalmente, ficou engraçado como olho para alguns alimentos que eu adorava (e que me engordavam e faziam mal mesmo) e tenho um certo “nojo” .
    O hábito faz a vontade mudar, as vezes estou com vontade de doce e consigo comer uma fruta, o que antes nunca resolvia, comia fruta e o chocolate etc….
    Confesso que ainda não é fácil mas a ajuda do blog é valiosa não dá para ser radical, né? rsrsrsrs Mas dá para ir mudando aos poucos e se adaptando.
    E vc traz isso de uma forma real, verdadeira.
    Esta semana vou fazer a biomassa hehehe
    Mais uma vez obrigada pela ajuda
    Bjs

    Reply
  • 21 de outubro de 2013 at 22:31
    Alessandra Cabral

    Oi ! Há uns 4 meses quando descobri que tenho intolerância à lactose, logo descobri seu blog que me deu muitas dicas. Tenho uma dúvida: quando tomamos a enzima numa situação necessária, mesmo assim ainda teremos algum efeito colateral ? Pela sua vivência, o que vc acha?

    Reply
  • 21 de outubro de 2013 at 22:31
    juliane drews

    Parabéns pelo post Flávia! Acho que precisamos pensar mais na qualidade de vida do que na obsessão por emagrecer, e geralmente da forma errada. Nós intolerantes deveríamos ser mais cientes de que se não nos alimentarmos direito tudo desanda na nossa vida, os problemas de saúde aparecem e não há remédio que nos ajude.
    Vamos ser mais saudáveis pessoal!

    Reply
  • 21 de outubro de 2013 at 18:05

    Muito bom. Concordo com td que vc falou. É difícil mesmo desconstruir certos conceitos. As pessoas em geral,não acham que a comida pode ser a causa dos seus problemas.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *