A Lactose e Eu – Gabriel

Bom dia Brasiiiiiiil!

Hoje, terça-feira, dia de mais um depoimento no A Lactose e Eu, quem vem hoje é o Gabriel, o primeiro de muitos – espero, eu – homem a participar!

O Gabriel me mandou um e-mail justamente em um dia em que estava pensando “seria tão legal se algum homem compartilhasse algo sobre ser intolerante à lactose”. Qual não foi minha surpresa quando abri minha caixa de e-mails e me deparei com uma mensagem tão sincera e bacana dele. Na hora perguntei se ele não se interessaria em participar da coluna dos leitores, e felizmente ele topou!

Gabriel, muito obrigada! Muito legal, importante e corajosa sua atitude. Espero que inspire outros tantos que também tem intolerância à lactose mas teimam em achar que não precisam de tratamento. Homens, tão teimosos né?! hihihihi

“Olá! Sou o Gabriel, estou com 26 anos e descobri que tenho Intolerância à Lactose em dezembro/2013, cerca de 03 meses atrás.

Há alguns anos, mais ou menos desde 2005, comecei a perceber que passava mal sempre que ingeria grande quantidade de leite. Com o passar do tempo, os sintomas foram aumentando, sendo que no último ano percebi que passava mal com qualquer alimento que possuísse alguma quantidade de leite.

Em razão da desconfiança de uma possível Intolerância à Lactose passei a cortar, aos poucos, alimentos derivados do leite, para ter uma ideia se a dúvida viraria certeza. Percebi, então, que meus sintomas diminuíam muito quando minhas refeições não possuíam nada que contivesse lactose. Posteriormente, quando fui fazer uns exames de rotina – que para mim não são tão de rotina assim – , o clínico geral que me atendeu solicitou que fosse feito o exame para verificar se sou ou não intolerante à lactose. O resultado, como previsto, foi positivo. Além disso, meus exames de sangue apontaram uma pequena anemia (vou abordar isso mais para frente).

Aí iniciou-se um problema, pois o médico limitou-se a me informar que isso era normal nos dias de hoje e me mandou parar de ingerir qualquer alimento que contivesse lactose. Meu primeiro pensamento quanto a isso, como a Flávia postou esses dias no blog, foi “O que passar no pão?” e como eu gosto de uma pizza. Ainda assim, tentei evitar os alimentos que contenham lactose, contudo, como minha alimentação havia ficado muito limitada – mesmo consumindo “só um pouquinho” de algumas coisas, resolvi, após mais de um mês, levar os exames para uma gastro especializada em alergias alimentares.

Na consulta em questão, a médica me indicou a enzima, pediu que eu evitasse ao máximo alimentos com lactose e, em razão da pequena anemia apontada nos exames sanguíneos, solicitou alguns exames complementares (que fiz somente na semana passada) para investigar se possuo algum tipo de hipersensibilidade ao glúten.

E era nesse ponto que eu queria chegar em meu depoimento: eu demorei a realizar os exames que podem, ou não, indicar a existência de intolerância ao glúten, por vergonha dessa condição. E nem falo do glúten. A própria Intolerância à Lactose já é, para mim, algo um pouco constrangedor.

E isso, se deve a um simples fato: ser homem. Nós homens com a falaciosa ideia de que somos fortes e suportamos tudo, cometemos diversos erros e temos vergonha de assumir diversas condições.

O principal erro que vejo, é que nós homens somos muito difíceis de ser convencidos a consultar um médico (meu depoimento é um exemplo disso). Eu mesmo, acabo de ver que eu poderia ter diminuído meus sintomas decorrentes da IL muito antes, com algumas simples consultas. Porém, como homem, tive vergonha – e ainda tenho em alguns momentos – de ter Intolerância à Lactose. O conselho que a Flávia me deu, com certeza ajuda muito a superar tudo isso e deixar o orgulho de lado para assumir essa condição.

Enfim, atualmente ainda não consegui me disciplinar para mudar minha dieta e meus hábitos alimentares como um todo, principalmente por estar aguardando o resultado dos exames referentes ao glúten. Ainda assim, a cada dia consigo mudar um pouquinho e espero que para melhor.

Essa mudança devo, principalmente à minha noiva, pois foi por pressão dela que procurei investigar a existência de IL – a quem agradeço muito.

E, antes de me despedir, quero agradecer à Flávia, pois graças a ela existe o Lactose Não, que foi para mim, e possivelmente é para muitas pessoas, o primeiro contato com o mundo sem lactose e, com certeza, consegue prestar o devido socorro a todos nós.

Gabriel.”

Gostaram do depoimento do Gabriel?
Acompanhe o Lactose Não nas redes sociais também, e fique por dentro de tudo 😉 Youtube, Facebook, Instagram e no Snapchat procure por lactosenao.

Sobre o Autor

Flavia Machioni

Flavia Machioni

Eu sou a Flavia, autora do Lactose Não. Sou especialista em cozinha natural, Health Coach formada pelo IIN/NY e Relações Públicas de formação. Faz 7 anos que venho mudando meu estilo de vida para ter mais saúde e bem estar e divido grande parte desse caminho aqui e em minhas redes sociais.

4 comentários em “A Lactose e Eu – Gabriel

  • 12 de novembro de 2014 at 12:27
    Fabiana

    Muito legal Gabriel, você nos ter contado sua história!!
    Sobre sua vergonha, eu lhe digo que também estou passando por isso, as pessoas me julgam, mesmo tendo passado pelo médico, algumas me parece, que ainda duvidam!! Descobri há cerca de dois meses que sou intolerante a lactose e alérgica a proteína do leite e por conta disso, tive que mudar radicalmente minha dieta, ler rótulos, preparar a minha própria comida (o que não é nada fácil com a rotina exaustiva que tenho), enfim!!! Já emagreci 6 quilos e continuo emagrecendo!! Tenho 35 anos, e por isso algumas pessoas me dizem: _Nossa, mas agora com essa idade que você descobriu? Será que é isso mesmo? rsrsrsrsr… Não é fácil amigo! Abraços…

    Reply
  • 13 de agosto de 2014 at 14:40
    Shaiane Cristine Martendal

    Parabéns Gabriel!

    Como vc mesmo disse, não são todos os homens que admitem essas coisas…

    Força aí na tua adaptação e boa sorte do teu exame de glúten..

    Eu acabei de descobrir que tenho IL e está sendo bem complicado a adaptação, deixar de comer o que mais gosto não é nada fácil…

    Mas este blog é muito bom mesmo, porque aqui não nos sentimos solitários nessa caminhada,..

    Os posts da Flávia são um máximo, ajudam bastante.

    Abraços!

    Reply
  • 13 de abril de 2014 at 21:11
    Micheline

    Amei!

    Reply
  • 26 de março de 2014 at 9:00
    Mari Bueno

    Que Bacana!! Boa sorte com suas adaptações Gabriel!! Na verdade à todos, pq mudar os hábitos alimentares não é fácil, também descobri minha IL recentemente e confesso que além de cuidar da alimentação policio o psicológico também pq quase surtei rs

    Um beijo!

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *