A Lactose e Eu – Aline Aguayo e o Panelinha Saudável

Oii queridos!

Hoje temos mais um depoimento no A Lactose e Eu. Quem vem contar sua história é a Aline Aguayo, uma leitora linda que além de sempre contribuir e participar no Lactose Não também criou um blog para dividir suas descobertas, dicas e receitas – o Panelinha Saudável.

Vamos ver a história dela?

Mande a sua também para [email protected] 🙂

“Oi, eu sou Aline Aguayo e descobri que tenho Intolerância a Lactose há 1 ano e 5 meses.

Desde pequena eu apresento alguns sintomas que nunca foram investigados tão a fundo. Enxaqueca, aftas, baixa imunidade, rinite, sinusite, amidalite frequente e desconforto abdominal.

Fui a médicos, fiz tomografia da cabeça, tratei as “ites” com antibióticos e tratamento para imunidade e por um tempo, ajudava, mas sempre voltava.

Quando pequena, lembro que achava que meu problema era comer doce pela manhã. Essa era a associação que eu fazia e ficou mais marcado porque, geralmente, quando eu comia qualquer coisa doce com leite no café da manhã, muitas vezes eu tinha que voltar pra casa na metade do caminho da escola pra ir ao banheiro. Aí eu me atrasava, ligava na escola me passando por minha mãe e dizia que a aluna Aline ia chegar atrasada porque estava fazendo exames. Rsrs

Mas poxa, pelo menos eu ia né? Podia simplesmente ver que estava super atrasada e ficar em casa vendo Tom e Jerry.

Enquanto criança nunca associei essas dores de barriga ao leite. Quem dirá as dores de cabeça.

A primeira vez que fui ao médico por conta de desconforto abdominal eu já tinha uns 20 anos. O médico me disse que era porque eu comia verduras fora de casa com frequência, e como não sabemos a procedência e como foram limpos esses alimentos, era melhor evitar porque poderiam causar alguma doença. Me deu remédio pra verme e só.

Fui levando até os 25 anos, quando em uma crise de estresse vieram todos os sintomas de uma vez. Passei uns 10 dias com amidalite, aftas, sinusite e diarreia. Depois, os sintomas passaram, mas a diarreia ficou oscilando entre uma semana de intestino preso, uma semana de intestino solto até demais.  Aí, pensei que isso poderia não ser normal.

Procurei um gastro, ele me pediu exame de sangue oculto. Fiz, deu positivo. Tomei remédio, repeti o exame, deu negativo. Diagnóstico: Síndrome do Intestino Irritável.

Então, marquei consulta com uma nutricionista pra adequar minha alimentação. Contei toda a história e ela resolveu investigar mais a fundo. Fiz muitos exames, muitos mesmo. Diagnóstico: Intolerância altíssima a lactose e um sinalzinho duvidoso de doença celíaca, além de deficiências nutricionais. Me encaminhou pra uma nutróloga que pediu mais muitos exames e ficou a suspeita de alergia à proteína do leite.

No fim, o diagnóstico foi de Intolerância a lactose e hipersensibilidade ao glúten. Fiz o que todo intolerante iniciante faz: corri pra soja. Um dia, em Curitiba inclusive, tive dor de cabeça e dor de barriga e não conseguia lembrar o que tinha comido com leite. Contei à nutri e não era o leite de vaca, era a soja que eu tinha exagerado – porque em Curitiba a gente encontra milhares de coisas que não tem em Foz, comprei, comi muito e passei mal. Então, entrou pra fila a sensibilidade à soja. Amigos, a soja é altamente alergênica, quando alguém que já está com o intestino em frangalhos corre pra ela, ela faz mal. Podemos comer sim, mas com moderação.

Uma das frases médicas que mais me marcou foi de um gastro (outro, não o mesmo que fiz a primeira consulta da saga) consultei com ele para pedir a enzima digestiva, ia começar um curso de gastronomia e precisaria usar com frequência. Comentei com ele que muita gente estava descobrindo a intolerância na fase adulta, e perguntei se isso poderia ter alguma relação com os leites adulterados que estavam sendo divulgados naquela época. Ele me respondeu: “Não sei se as pessoas que estão descobrindo agora, ou se os médicos é que estão investigando mais”. Aí lembrei de tudo o que passei até chegar ao diagnóstico certo. E ele ainda tirou um sarrinho quanto ao exame de intolerância. “Deu dor de barriga quando você fez o exame?”. Nossa! Vou contar pra vocês que foi só o tempo de estacionar o carro na garagem e sair correndo. Tenso, gente!

Nesse processo todo, a gente ainda tem de lidar com nossos familiares e amigos achando que é frescurite. Lembro que quando retornei à consulta com a nutri, pra mostrar o resultado do teste de IL, meu pai foi me buscar e quando entrei no carro, ele já falou: “E aí, não deu nada, né?!”. Quando falei que tinha dado um grau bem elevado de IL ele viu que era sério e foi um dos primeiros a comprar coisinhas sem lactose, pesquisar receitas e opções de comidas. E dos amigos a gente sempre ouve: mas só um pouquinho não vai fazer mal. Faz sim gente, não caiam nessa não que depois, nós é que sofremos as consequências.

O Lactose Não foi um dos primeiros blogs que encontrei cheios de dicas, receitas além da história da Flavinha. Acho que ver o antes de depois dela não só me motivou, mas me fez entender o que a intolerância pode fazer com nosso organismo. A partir de então, não parei mais de pesquisar e procurar alternativas, procurar sites que pudessem a me ajudar a fazer e entender as substituições, sites veganos e de culinária funcional. Cozinhar virou uma paixão e cada dia quero aprender um pouco mais.

Aí, nasceu o Panelinha Saudável, blog onde eu posto receitas e dicas, tento responder dúvidas que eu tive e que muitas outras pessoas podem ter também e tento acrescentar a essa comunidade de intolerantes em busca de informações.

depoimento_aline

Hoje tento fazer da máxima “Que seu remédio seja seu alimento e seu alimento seja seu remédio” parte da minha vida mesmo. Aliás, depois de cortar a lactose, nunca mais tive uma dor de cabeça sequer. Se antes eu tinha estoque de remédio (que eu chegava a tomar 3 de uma vez pra passar a dor), hoje não preciso mais. Nunca mais tive dor de cabeça, aftas, dores de garganta, nenhuma das ites e nem gripe peguei.

Então, pra quem pensa que consequência de intolerância é “só uma dorzinha de barriga”, está muito enganado. O mau funcionamento e maus tratos que damos ao nosso organismo refletem em tudo. Quando paramos com o que faz mal e passamos a cuidar do nosso corpo, a resposta não poderia ser outra: ele se fortalece, imunidade vai lá em cima e tudo flui muito melhor. Passamos a identificar com muito mais facilidade o que nos faz mal.

Flavinha, tenho certeza que assim como foi comigo, muitas outras pessoas caem aqui no Lactose Não e tem o blog como o primeiro socorro – e contínuo. Você faz parte do dia a dia de muita gente e pode nem saber. Continue com o seu ótimo trabalho, muito sucesso e que o blog te traga muitas alegrias. Você é linda! “

Gostaram do depoimento da Aline?
Acompanhe o Lactose Não nas redes sociais também, e fique por dentro de tudo 😉 Youtube, Facebook, Instagram e no Snapchat procure por lactosenao.

flaviamachioni_bannerwebtodasapostilas02

Sobre o Autor

Flavia Machioni

Flavia Machioni

Eu sou a Flavia, autora do Lactose Não. Sou especialista em cozinha natural, Health Coach formada pelo IIN/NY e Relações Públicas pela UFPR. Há mais de 7 anos venho mudando meu estilo de vida e alimentação para ter mais saúde e bem estar. Divido grande parte desse caminho aqui e em minhas redes sociais.

16 comentários em “A Lactose e Eu – Aline Aguayo e o Panelinha Saudável

  • 14 de janeiro de 2018 at 20:45

    Olá amigos, vou dar uma dica aqui de onde encontrar Kefir de Leite, Kefir de Água, Kombucha e Iogurtes Infinitos, nesse site:

    http://kefirdeleite.com

    Eles enviam para Qualquer Cidade do Brasil pelos Correios e você só paga o custo do envio dos Correios e recebe no seu endereço.

    Fica aí uma dica muito boa para quem não encontrar na sua Cidade.

    Reply
  • 28 de setembro de 2015 at 3:31
    Stefani

    Gostaria de saber se esses exames é só gastro que passa, o pra lactose no caso… Por que faz um tempo que ando passando muito mal, fico horas e mais horas no banheiro, chorando… Depois de comer bolo, pão de queijo, pizza, entre outros..
    Sensacional seu depoimento.. E vamos à luta o/

    Reply
  • 3 de setembro de 2014 at 16:16
    Magali

    Coincidências não existem rs estava procurando dicas de alimentação sem gluten em Curitiba, comecei a ler o blog como doida e encontrei a história da Aline e do Panelinha Saudável.

    Sou freguesa do Panelinha aqui em Foz, tudo delicioso.

    Não sou intolerante, mas tenho artrite e o gluten piora tudo. Vendo vídeos sobre alimentação funcional encontrei um sobre dieta vegetariana integral que mostrava o que a lactose faz com nosso organismo, parei de comer qualquer derivado do leite, já era vegetariana, agora sou vegana, sem glutem rs mas me sinto tão bem que não sinto essa restrição como um sacrifício, comecei a cozinhar coisas mais saudáveis e deliciosas, emagreci muito, minha saúde deu um salto quântico e a qualidade da minha vida melhorou demais.

    Sacrifício é você humilhar seu organismo com essa porcariada toda da indústria alimentícia atual.

    Agradeço pelas ajudar virtuais

    Gratidão, paz e amor

    Mallika

    Reply
  • 2 de junho de 2014 at 1:08
    stephanny dias

    Olá,

    Há uns 20 dias atrás comecei a sentir dor no estômago, todas as tardes. Tomei luftal, achando que o problema era gases, mas não melhorou, então pensei que fosse refluxo, ou gastrite porque sentia náuseas e decidir ir ao médico. Ele pediu um endoscopia, mas só deu um gastrite leve, que segundo ele, não justificava a dor. Passou Omeoprazol e Tropical para eu tomar e pediu para eu fazer um teste de lactose e um ultrassom abdominal total. Achei que não tinha intolerância, já que sempre consumi leite e seus derivados e nunca havia sentido nada, por isso tomei leite na manhã seguinte e fiquei o dia todo mal. Na sexta passada, fiz o exame de intolerância a lactose, e após sair do laboratório tive diarreia. O resultado foi basal 67, 30 min 68 e 60 min 67, ainda vou mostrar ao médico, mas pelo que li na net, tenho intolerância.
    Ao pesquisar sobre Intolerância a lactose, achei esse site, que me deixou bem mais calma sobre o tipo de vida que irei levar.
    Parabéns pela iniciativa!

    Reply
  • 8 de maio de 2014 at 18:09
    Maria Cecilia Manhães B.de Almeida

    Oi,Flavia estou gostando muito do seu blog.Fui a uma médica gastro com sintomas de gases e boca amarga.Estou fazendo todos os exames.Ela me tirou todos os produtos que tenham lactose.Estou achando que tenho intolerâcia a lactose.Estou interessada nas suas receitas.Um abraço e muito obrigada.Maria Cecilia

    Reply
    • 8 de maio de 2014 at 21:22

      Oii Maria Cecilia!
      Seja bem-vinda! Volte para contar o resultado do exame!
      Volte sempre 🙂 um beijo

  • 31 de março de 2014 at 18:02

    olá tudo bem ?? meu nome é Fabia sou culianrista e tenho intolerancia a lactose ,,, voces estão me ajudando muitooooooooo mesmo com a pagina obrigada ,,,bjs.

    Reply
  • 29 de março de 2014 at 20:30

    oi tenho IL hj mesmo to muito mal ,acho que estou doente do pancreas do estomago tudo que voc~es podem imaginar comi toeta de frango e tinha leite na massa continuiei comen do pizza

    Reply
  • 13 de março de 2014 at 11:14
    Amanda Galvão

    Adorei. Super me identifico com todas as histórias.
    Vou escrever a minha e te mandar Fla! rsrsrsrs

    Um beijooooooo

    Reply
    • 17 de março de 2014 at 9:27

      Amandaaa sim!!!!
      Manda para eu publicar aqui 🙂
      beijos lindona!

  • 12 de março de 2014 at 17:42
    Luciana

    O mais revoltante é que fui a três médicos e nenhuma deles passou o teste de IL, nem desconfiou. Um deles falou que eu tinha que “me acostumar” a viver assim pq tinha gente q vivia com doença pior.

    Reply
  • 12 de março de 2014 at 17:38
    Luciana

    Eu me lembro de começar a sentir gases que incomodassem aos 14 anos. Somente com 23 anos comecei a sentir cólicas. Mas o médico achou que eu tinha síndrome do intestino irritável, sem me pedir o exame de IL. Então, fiquei mais alguns anos passando MUITO mal, pois cada vez mais piorando. Cólicas terríveis que não passavam com nenhum remédio, barriga mt estufada(parecia grávida). Por causa de uma sensação constante de diarréia eu vivia no banheiro, mas eu não conseguia fazer nada, era só a sensação, eu tinha mesmo era constipação. Num determinado momento, parecia que meu intestino estava podre, eu nem saia mais de casa pq os gases eram MT podres. E as dores… Eu juro que achei que estava com um câncer numa estado terminal e tentei de TUDO que me ensinavam numa comu do orkut de SII (óleo de copaíba, chá de semente de abóbora, remédio pra verme, etc)… Até que eu pedi pro médico passar o teste de IL pq vi que algumas pessoas que tinham SII tb tinham IL (eu não desconfiei que eu não tinha SII). Deu intolerância total. Fui a uma nutricionista e o início foi difícil, pois eu esperava uma melhora imediata cortando o leite e td o que eu comia me fazia mal (o almoço era um frango sem gordura, sem tempero, pouco sal, tomate, verdura e arroz integral. Eu não comia nada gostoso, só dieta, e não melhorava. Só depois de QUATRO meses COMECEI a notar melhora. Fiquei curada daquela fase terrível que passei na minha vida, qndo eu tava só couro e osso e achava q ia definhar dali até a morte, de tão mal q eu tava. Hj eu como td com Lactaid e fico bem. Só às vezes o Lactaid não funciona mt bem. O único remédio que passa as cólicas é o Digedrat. Pretendo ter uma dieta mais saudável, mas sem cortar totalmente o leite, pois estou bem, graças a Deus.

    Reply
    • 22 de abril de 2014 at 14:02
      Micheline

      Luciana, uma maravilha seu relato! Acho que todos que sofrem de IL se identificam com o que você passou. Incrível como os médicos estão contribuindo negativamente para a saúde ir de mal a pior. Minha sorte foi que a endocrinologista passou logo o teste de intolerância a lactose, porque senão seria um martírio. Tantos meses com cólicas, gases e dores de barriga, intercalados com constipação… A treva! Bjs!

    • 3 de fevereiro de 2016 at 12:12
      Mel

      Eu tenho os mesmos sintomas a quase 2 anos e já perdi 6 quilos, tenho 20 anos, 1,56 de altura e pesava 40 quilos, nunca passei disso, e agora peso 34 quilos. Acabo de me curar de uma anemia tomando Neutrofer folico.
      Muitas dores na barriga, aftas, febre, nervoso por não me sentir bem. Achei até que era coisa da minha cabeça, que se eu me acalmasse me sentiria bem… mas nada disso adiantou.
      Fui no médico a 1 semana pra ele ver o resultado do exame sobre a anemia, graças a Deus tô curada.
      As dores, as aftas, febre, diarréia, constipação, gases que fedem muito, continuam, o Clinico geral passou exames de sangue de DST -.-‘
      e exame de fezes pra ver se é verme.
      Nesses 2 anos já tomei vários remédios de verme e continuo sentindo as mesmas coisas, já tomei remédio pra gastrite também e nada!
      Fui encaminhada para um nutricionista e um psicologo também. Mas só depois do carnaval é que vou fazer os exames de sangue, fezes e me consultar no nutri e psicologo.
      A dois dias tive uma crise horrível de dor na barriga e ânsia de vômito, tinha tomado Nescau a tarde e no inicio da noite tentei jantar, nem cheguei a engolir a comida e acabei vomitando.
      Enquanto isso cortei todos os derivados do leite da minha alimentação, e me sinto menos pior.
      Minha mãe fala que é frescura, que é pra eu parar de inventar doença…
      Só quem sente sabe, a dor insuportável que é.
      Quero me sentir bem comigo mesma, ter uma vida normal como qualquer pessoa saudável, sem dores.

  • 12 de março de 2014 at 13:29
    Camila Romano

    Olá Flava, e Aline!
    Descobri a IL há menos de um ano, mas levei um tempo para realmente parar de consumir lactose, inicialmente achei que era exagero, tentei administrar a enzima, mas só depois de experimentar o que era de fato dias sem lactose é que entendi como são “pessoas normais” rs. E agora não consumo mais. Antes eu detestava segunda-feira, tinha enxaqueca em todas, dores e moleza, mas achava que era por qq outro motivo, hoje entendo o pq, afinal o consumo de lactose nestes dias é (era) de fato intenso. Os problemas respiratórios tb sumiram. Mas a vida social ainda é difícil. Outra coisa que mudou foi que sempre amei cozinhar, entretanto ainda não me adaptei e não cozinho mais tanto. Obrigada por toda ajuda! É ótimo saber sobre a experiência de outras pessoas, e claro entender que não sou só eu que penso: “não, não é só uma dorzinha na barriga” rs.

    Reply
  • 12 de março de 2014 at 11:09
    Juliana Larissa Rocha

    Oi, Flavia. Tudo bem? Antes de tudo, quero dizer que estou adorando seu blog. Ele me ajuda muito. Bom, hoje visitando paginas no face sobre alimentação saudável etc, me deparei com o KEFIR. Ja ouviu falar? É um probiótico. Achei super interessante. Ja perguntei pra minha nutri tbm a respeito. Se possivel até gostaria que vc publicasse uma matéria a respeito. http://kefiralimentoprobiotico.blogspot.com.br/ aqui é o endereço do blog. Inclusive o kefir recebemos através de doações gratuitas. Legal, neh?

    Beijinhos flor.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *