Lactose Não em Bangladesh

Oii gente!!

Para quem não sabe, nas últimas semanas estive viajando. Como intolerância à lactose e alergia alimentar não tiram férias (infelizmente), vim dividir descobertas nos lugares onde passei e truques de sobrevivência hahahahaha

O post de hoje será com dicas Lactose Não em Bangladesh. Não acredito que seja um destino muito procurado, mas países inesperados trazem situações inesperadas, o que para nós, intolerantes, é sempre mais emocionante – ou não!

Primeiro, um pouco sobre Bangladesh.

bangladesh-sem-glutensem-lactose.Gulsham Market – Rickshaw – Ônibus do transporte público – Centro de Dhaka

Bangladesh fica pertinho da India e do Paquistão, país do qual fazia parte antes de se tornar independente. A maioria da população é muçulmana. Eu fui para Dhaka, a capital. É uma das cidades mais populosas do mundo e é bem pobre.

Eu já tinha viajado para outros países da Ásia, mas Bangladesh com certeza é o mais pobre entre eles. Na verdade é até difícil de assimilar, você vê mas não dá para entender, sabem? É uma sensação estranha.

Coleta de lixo, saneamento básico, educação e saúde pública são expressões que eles provavelmente não saibam o que significa. Tem muita gente na rua, muito pedinte, o trânsito é caótico e tem muito, muito congestionamento.

bangladesh_sem-gluten-sem-lactose1.Dhaka – Radisson Hotel – Tuk Tuk – Feira

Apesar de todos esses fatores, o povo é muito feliz e eles acham Bangladesh um país muito bom – pelo menos os poucos com quem conversei me disseram isso.

O mais engraçado foi ver a paixão deles por futebol e a rixa que eles tem entre Brasil e Argentina! Agora em época de Copa do Mundo a cidade era dividida entre bandeiras brasileiras, argentinas e bengali. Gente, eles levam a briga MUITO a sério, tipo mais que nós se duvidar. Eles brigam entre eles, e para vocês verem que eu não estou mentindo ou exagerando, leiam essa notícia aqui – Jovem morre em briga entre fãs do Brasil e Argentina em Bangladesh.

Ah, sobre as bandeiras. Eles fizeram uma customização na nossa – acho que eles queriam colocar o que realmente significa Brasil pra eles. Eu comprei uma, porque achei demais hahaha vejam:

bangladesh-sem-gluten-sem-lactose.

Bom, depois dessa breve introdução sobre o país, agora o que interessa: como comer lá!

Primeiro de tudo, pesquisei no Google para ver se conseguia ter uma ideia do que me esperava. Não ajudou muito, então resolvi comprar farinha de arroz, polvilho e goma de tapioca e levar na mala. Se não tivesse comida nenhuma eu poderia ir pra cozinha!

Foi ótimo que fiz isso, pois minhas farinhas me ajudaram na hora do aperto. Tanto que esta receita aqui, foi a que mais fiz lá! hahahah

Mas, na realidade não precisava ter levado, encontrei dois lugares onde comprar farinhas diferentes e produtos sem glúten. O primeiro foi o e-commerce Direct Fresh. Encontrei opções de cookies sem glúten e sem lactose além de alguns produtos importados. Entregam em casa ou você pode ir buscar.

bangladesh-sem-gluten-sem-lactose

Esses cookies eram bem gostosinhos

O outro lugar foi o mercado Unimart. Acho que é um dos maiores que tem em Dhaka e lá achei leite de coco, farinha de arroz, farinha de grão de bico, castanhas, etc. Vejam as farinhas:

bangladesh-sem-gluten-sem-lactose1

Aqui no blog sempre digo, e quem me conhece sabe que eu sempre busco alternativas mais saudáveis, frescas, orgânicas – de preferência. Mas nada como a vida para nos mostrar que nem tudo é fácil e que temos que nos adaptar não importa aonde estamos né?

Visitei um mercado local e vi as condições de armazenamento dos alimentos, além disso tive a brilhante ideia de ler sobre a produção de frangos lá – não consegui mais comer frango enquanto estive lá. Mas eu sinto fome, e não tinha opção, ou abstraía das condições adversas ou eu não ia comer e ficaria doente. Pela primeira vez desde que me tornei mais consciente com a alimentação eu me senti mais segura comendo coisas que vinham em latas ou caixas do que produtos frescos.

É o que sempre falo, precisamos ter equilíbrio, mas antes disso, bom senso também.

De qualquer maneira, continuei consumindo verduras e frutas todos os dias, só evitava pensar o caminho que eles fizeram até chegar a mim hihihih. As verduras não comia crua e lavava muitooo bem.

Apesar disso, era época de lichia, abacaxi e manga, e o sabor delas era delicioso!!! Super docinhas! Como todas essas frutas tem uma casca grossa e que tiramos para comer, os agrotóxicos e produtos químicos penetram menos na fruta em si.

bangladesh-sem-gluten-sem-lactose-

Agora sobre os restaurantes que fui.

Apesar de ser um país pobre, existe muitas indústrias lá – têxtil principalmente – e com isso tem muitos empresários e executivos, assim existem boas opções de restaurantes, hotéis e clubes. Eu conheci dois restaurantes japoneses muito bons, um tailandês ótimo e dois clubes, o Nórdico e o Alemão – lá tem muito estrangeiro, que foram para trabalhar nos escritórios das grandes marcas e fábricas, e por isso existem estes clubes. Também comi em um indiano ótimo, mas não lembro o nome.

O tailândes é o Soi 71. Lá tinham esses fresh spring rolls da foto feitos com folha de arroz e recheados com broto de bambu, alface e menta, e servido com molho de castanha de caju e tarê – divinos! Também provei o red curry e o green curry deles, muito bom, e a papaya salad, que também estava ótima – tudo sem glúten e sem lactose. O bom da culinária tailandesa é que eles utilizam leite de coco, super seguro para nós 🙂

bangladesh-sem-gluten-sem-lactose2

Os restaurantes japoneses que conheci foram o Izumi e o Wasabi. Os dois são ótimos e tem opções sem glúten e sem lactose!

bangladesh-sem-gluten-sem-lactose1.

Sushi roll com aspargos, abacate e caranguejo.

Nos clubes eu pedia peixe grelhado com legumes e batata assada ou salada. Na verdade não tinha muitas opções, mas a gente se vira com o que tem. Na dúvida pedia salada, ou batata frita – triste, mas verdade.

Sinceramente não sei se este post será útil para alguém, mas de qualquer maneira, estas são minhas dicas em Bangladesh 🙂

Próximo post eu passo as dicas de Dubai e Abu Dhabi. E não esquece que no Atlas Lactose Não têm todas essas dicas e várias outras!

Um beijo!

Sobre o Autor

Flavia Machioni

Flavia Machioni

Eu sou a Flavia, autora do Lactose Não. Sou especialista em cozinha natural, Health Coach formada pelo IIN/NY e Relações Públicas de formação. Faz 7 anos que venho mudando meu estilo de vida para ter mais saúde e bem estar e divido grande parte desse caminho aqui e em minhas redes sociais.

10 comentários em “Lactose Não em Bangladesh

  • 25 de junho de 2014 at 8:31
    anna

    Oi Flávia, fiquei curiosa, vc foi a Bangladesh a passeio?

    Reply
  • 25 de junho de 2014 at 13:40
    Micheline

    Flávia, sempre é bom ver você relatando suas experiências. Não tenho a mínima previsão de viajar para o exterior, mas vai que acontece, né?! Pois bem, temos que estar preparados. Fora que seu relato é muito legal e divertido. Aguardando os próximos. Bjs!

    Reply
    • 25 de junho de 2014 at 17:12

      Oii Micheline!
      Obrigada pelo carinho amada 🙂
      um beijo

      Reply
  • 3 de outubro de 2014 at 19:40
    Lily

    Flavia boa noite
    Com certeza ajudou e tirou algumas duvidas, gostaria de fazer algumas perguntas a respeito da viagem se você não se incomodar… Desde já agradeço

    Reply
  • 4 de abril de 2015 at 0:45

    Oi Flávia tudo bem?, estou buscando algumas informações sobre Bangladesh e derre pente me deparei com o seu blog. Bom a pergunta é, para ir a Bangladesh é necessário visto ou uma carta convite resolve. aguardo resposta.

    Reply
  • 13 de julho de 2018 at 17:41
    Tania Rocha

    Oi FLAVIA!
    Quais utensilios de cozinha vc levou? Conte me como faz para cozinhar em hoteis…tem que pedir autorizaçao para poder cozinhar?

    Reply
    • 16 de julho de 2018 at 15:39

      Oi! Não levei nenhum, não fiquei em hotel, querida.
      Mas veja com o hotel que vai se hospedar o que é possível fazer.
      Bjs

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *