A descoberta da intolerância à lactose

Hoje resolvi escrever sobre a descoberta da intolerância à lactose.

Aqui no Lactose Não já vi alguns depoimentos, você pode conferir alguns aqui, e me motivou a escrever a minha história também.

O blog foi muito importante para mim quando descobri que sou intolerante à lactose. Foi aqui que encontrei as informações e receitas que me deixaram mais seguras para enfrentar esse desafio. Nos últimos anos, tenho procurado levar uma vida mais saudável, e agora estou  feliz em poder dividir com vocês o que aprendi em minhas humildes pesquisas, leituras e – principalmente – experiências.

Tem muitas coisas que quero contar, mas para que vocês entendam minhas escolhas, acho importante conhecerem um pouco da minha história. Tenho 29 anos e há dois descobri que sou intolerante à lactose, mas lembro de ter sintomas desde a infância, ainda que de forma mais discreta. Por mais de 20 anos sofri com rinite e nariz entupido, coisas que diminuíram depois que parei com os laticínios, além da prisão de ventre, que tenho até vergonha de falar, mas sei que me entendem, porque né, acho que de alguma forma estamos no mesmo barco. Desde o início da faculdade (faz mais de dez anos – sou formada em jornalismo), sentia dores de cabeça quase toda a semana, às vezes dias seguidos. Mais adiante, tinha cólicas e inchaço na barriga, mas cada vez atribuía isso a uma coisa diferente. Jornalista trabalhar até mais tarde é tão tradicional quanto o lanche típico desses momentos: pizza. Aí vocês imaginam eu fechando edição de jornal nessa situação. Só em 2014 tive o diagnóstico, e por um motivo que nem me incomodava tanto perto disso: pele oleosa.

a descoberta da intolerancia a lactose

É amiga, nossa relação está abalada

Eu estava com a imunidade baixa, vivia com algum tipo de virose. Por causa de uma faringite, tive que tomar antibiótico e anti-inflamatório, o que fez piorar o que já não ia bem: meu intestino. Nessa fase fui na dermatologista, por outro motivo, e a oleosidade do meu rosto chamou a atenção dela. Ela disse que o consumo de leite causa essa reação em algumas pessoas. Eu fiquei meio contrariada, mas decidi cortar leite e derivados por uns dias para fazer o teste. Para minha surpresa, senti pouca diferença na pele, mas na barriga, uau, que alívio! Nem sabia mais como era não sentir cólica, não chegar em casa louca para abrir o botão da calça. Com mais algumas experiências, logo associei isso ao leite e… por mais que tenha ficado feliz por ter melhorado, meu mundo meio que caiu, porque é difícil abrir mão de comer a maior parte do que estava acostumada, incluindo café com leite, minha comfort food desde a infância.

No início achei que ia me virar sozinha, que era só evitar leite e pronto. Mas eu não conseguia me organizar e acabava comendo alimentos que me faziam passar mal, e às vezes sentia estufamento, cólica, refluxo e outros desconfortos sem saber porquê. Eu já tentava ter uma alimentação saudável, mas achava ok comer industrializados fit, light e falsos integrais todo dia, pensamento que hoje já mudei.

Retornei à nutri que consultava, e ela recomendou tratamento com glutamina e probióticos. A melhora ficou evidente, mas eu ainda sentia desconfortos, por isso decidi ir ao gastroenterologista. Contei que passava mal às vezes mesmo sem ter comido laticínios, e que não conseguia achar uma explicação. Ele solicitou todos os exames possíveis, inclusive o teste de tolerância à lactose, que eu ainda não tinha feito, e que confirmou o que já sabíamos. Fora isso, nenhum outro diagnóstico justificou meus sintomas.

Diante disso, o médico explicou que os meus desconfortos não tinham causa física ou química, ou seja, os sinais apontavam para uma desordem funcional, a Síndrome do Intestino Irritável (SII). Pessoas com essa condição não têm uma doença que possa ser vista ou medida, mas o intestino não funciona normalmente. Eu já estava em crise existencial por causa da intolerância à lactose, aí segui a vida meio que ignorando esse outro problema. Pensei que meu intestino estava mais sensível por causa da intolerância, mas que iria melhorar depois de um tempo. De fato melhorei, mas ainda tive, e tenho, uns períodos mais críticos. Recentemente, fui até para o atendimento de emergência, porque a dor estava tão intensa pensei que podia ser algo mais grave.

Como tratamento para os sintomas de SII, o médico recomendou, entre outras orientações, diminuir os alimentos ricos em Fodmaps. Fodmap é a sigla para Fermentable Oligosaccharides, Disaccharides, Monosaccharides e Polyols, que são carboidratos não digeridos pelo sistema digestivo humano e que acabam fermentando no intestino, causando desconforto em algumas pessoas.

Como a história é grande, hoje paro por aqui, mas continuo num próximo post 🙂

Para quem quiser saber mais sobre SII e Fodmaps, deixo dois links do Blog:  Síndrome do intestino irritável e alimentação e Fodmaps – o que são.

Também passou muito aperto antes de descobrir a intolerância? Tem uma história parecida? Fique à vontade para contar, vou adorar trocar ideias!

Acompanhe o Lactose Não nas redes sociais também, tem sempre post novo!! Youtube, Facebook, Instagram.

Sobre o Autor

Carla Vailatti

Carla Vailatti

Oi, eu sou a Carla Vailatti, jornalista e intolerante à lactose. Vivo em negociação com meu corpo, porque tento ouvi-lo, mas ele pede muito chocolate. Acredito que todos precisamos buscar informações para sermos protagonistas da própria saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *