Dieta para candidíase – o que sobrou para comer?

Oii, amigos!!! Hoje vamos ver o que “sobrou” para comer na dieta para candidíase.

Confesso que coloquei esse título para provocar mesmo, porque fiquei chocada com a reação de muitos de vocês dizendo que não sobrou nada para comer! Fiquei surpresa ao ver a supresa de vocês ao saber que comer comida pobre em nutriente não faz parte de um tratamento para melhorar a saúde.

Poxa, gente, sério? Vocês não acham meio óbvio que comer um monte de açúcar, bebidas industrializadas, gorduras ruins, pães e bolos pobríssimos em nutrientes faz mal?

Fiquei triste e preocupada ao ler comentários do tipo: “Ou seja, fazer esse tratamento é ficar infeliz”. Vejam as fotos abaixo, são receitas que desenvolvi com ingredientes funcionais e nutritivos. Melhorar nossa saúde através da alimentação não deve e nem pode ser sinônimo de sofrimento 🙂

Deixar de comer produtos alimentícios – porque, tirando as frutas, nada do que tem nessa lista aqui é comida – faz você ficar infeliz? Algo está errado aí, amigo… a nossa felicidade não vem de escolhas alimentares não. A felicidade vem de um conjunto de fatores, onde a comida é uma parte pequena. Seus relacionamentos, sua carreira/estudos, sua família, prática de atividades físicas, espiritualidade, tudo isso influencia na sua felicidade.

Fora que, estes posts que tenho feito sobre síndrome fúngica e candidíase recorrente são para alertar o que a alimentação de 95% da população traz: disbiose, diversas inflamações, doenças, mal-estar, falta de ânimo e até depressão!!!

Talvez a causa da infelicidade seja o que aquela lista de alimentos está fazendo com seu organismo: alterando seus hormônios, aumentando sua indisposição, não dando energia e vontade suficiente de fazer as coisas, e não o contrário..

Bom, mas eu estou aqui para tentar ajudar e por isso hoje vou mostrar tudo o que “sobrou” para comer aos que querem melhorar sua saúde 🙂

Eu trabalho com cozinha natural e funcional, isso quer dizer que além de receitas gostosas e práticas, eu escolho os ingredientes pensando no que eles podem trazer a mais – algum benefício que auxilie em um objetivo específico. Neste caso, é super interessante incluirmos os alimentos abaixo devido a suas propriedades antifúngicas, anti-inflamatórias, antibacterianas e imuno moduladoras.

  • Coco: óleo, água e polpa. O coco é rico em algumas substâncias com grande poder fungicida e bactericida, como o ácido láurico e ácido caprílico. Além disso, o coco é um dos alimentos mais nutritivos do mundo. A água ajuda a hidratar e repor minerais, a polpa e o óleo são ricos em gorduras boas e ainda auxiliam na saciedade 🙂
  • Alho. Ele é maravilhoso, aumenta a imunidade, é probiótico, anti-inflamatório e auxilia a recuperação ser mais rápida.

  • Gengibre e cúrcuma. Raízes com ótimas ações anti-inflamatórias, também auxiliam na digestão e vão aumentar a imunidades.

  • Frutas vermelhas. Ricas em antioxidantes e com baixo índice-glicêmico! Se joga, miga!!!!

  • Probióticos. Probióticos são alimentos e bebidas ricas em microorganismos do bem, amigos, lindos, maravilhosos que vão repovoar nosso intestino com bactérias benignas. Aumentando o consumo destes alimentos, as bactérias boas vão matando as malignas e fungos e assim o mal-estar vai desaparecendo. Alimentos probióticos: missô, chucrute, picles caseiro, kefir, kombucha, rejuvelac. No meu e-book Tchau Candi você aprende a fazer picles caseiro e rejuvelac. Clique aqui para comprar por R$19.90.

  • Prebióticos. Os prebióticos são alimentos para os probióticos. Muito importante adicionar na alimentação também, pois nada adianta ter vários amigos novos no intestino se não tiver comida para eles, né? O amido resistente é um ótimo prebiótico e você encontra ele na biomassa de banana verde, aipim, inhame e algumas outras raízes. A concentração do AR varia muito dependendo da maturação do alimento, método de cocção e temperatura. Veja algumas receitas com biomassa de banana verde aqui.

  • Ervas como orégano, tomilho e alecrim. São super antifúngicas! Você pode fazer chá com elas ou caprichar no tempero da sua comida do dia-dia.

  • Chá de ipê-roxo.
  • Extrato de própolis. Excelente imuno regulador e cicatrizante.
  • Glutamina. Protege e recupera as vilosidades intestinais, que provavelmente vão estar bem prejudicadas.

Estes são alimentos interessantes para incluir na alimentação devido a suas propriedades específicas. Agora veja, de fato, o que sobrou para você comer:

  • Ovos
  • Frango
  • Peixe
  • Carne
  • Cogumelos
  • Aveia – para quem tem intolerância, alergia ou doença celíaca comprar as certificadas sem glúten.
  • Amaranto (grãos, flocos e farinha)
  • Quinoa (grãos, flocos e farinha)
  • Painço (grãos, flocos e farinha)
  • Feijão de todos os tipos (grãos e farinhas)
  • Grão de bico (grãos e farinhas)
  • Lentilha (grãos e farinhas)
  • Ervilha
  • Trigo sarraceno (grãos e farinhas)
  • Tofu
  • Arroz cateto
  • Batata doce
  • Aipim
  • Inhame
  • Mandioquinha
  • Brócolis
  • Couve-flor
  • Beterraba
  • Abóbora
  • Abobrinha
  • Berinjela
  • Tomate
  • Cebola
  • Espinafre
  • Couve
  • Vagem
  • Repolho
  • Cenoura
  • Pepino
  • Batata Yacon
  • Alface
  • Rúcula
  • Agrião
  • Folha de mostarda
  • Broto de alfafa
  • Broto de bambu
  • Escarola
  • Amêndoas, nozes e castanhas de boa procedência (para evitar contaminação por fungos)
  • Ameixa
  • Framboesas
  • Amora
  • Maracujá
  • Morango
  • Melão
  • Laranja inteira
  • Limão
  • Goiaba
  • Água de coco
  • Farinha de coco
  • Coco ralado
  • Polpa do coco
  • Manteiga de coco
  • Óleo de coco
  • Azeite de oliva
  • Stevia
  • Xilitol
  • Outro adoçante como taumatina, inulina ou combinações deles.
  • Algas Marinhas
  • Chás como de camomila, hortelã, cidreira, erva-doce, canela, gengibre, casca de abacaxi, boldo, hibisco.
As fotos ali em cima, são algumas das 16 receitas que desenvolvi para o e-book para ajudar você no café da manhã e nos lanches. Elas são práticas, nutritivas e deliciosas! Ele está R$19,90 e você pode comprar clicando aqui – pagamento por boleto ou cartão de crédito.

Para ver ideias de alimentação no dia-dia (almoço e janta), veja este post aqui.

Lembre-se que no meu Instagram eu posto dicas e receitas diariamente e minha alimentação é sempre natural, sem glúten, leite, pouco açúcar e com carboidratos complexos, então me acompanhe por lá.

Hoje é o último post da série sobre candidíase, disbiose e intolerâncias alimentares. Veja todos aqui.

Caso você esteja suspeitando que está com esse quadro, procure um bom nutricionista funcional para que auxilie no tratamento e adeque sua alimentação e suplementação.

Nenhuma informação contida aqui substitui o acompanhamento médico e nutricional. Procure um bom profissional para acompanhar você e passar tratamento individualizado!

Meus amores, espero que essa série de posts tenha auxiliado vocês de alguma maneira. Lembrem sempre que a escolha é sempre nossa e que devemos estar preparados e dispostos para mudar.

Fiquem bem, um super beijo!

 

Sobre o Autor

Flavia Machioni

Flavia Machioni

Oiii, eu sou a Flavia, autora do Lactose Não. Aqui, divido minhas invenções na cozinha, dicas de viagem, mostro meu estilo de vida e passo um pouquinho do que tenho aprendido desde que descobri ter alergias alimentares ao glúten e leite :)

24 comentários em “Dieta para candidíase – o que sobrou para comer?

  • 15 de maio de 2017 at 12:51
    Alessandra

    Oi Flá, vc começa o post falando sobre coco. Eu adoro água de coco, mas nem sempre é fácil encontrar in natura, aqui em curitiba. Tem alguma caixinha que seja melhor pro consumo? 😘

    Reply
    • 15 de maio de 2017 at 13:06

      Oi Alessandra, tudo bem?
      A da marca Orbigado é uma boa opção.
      Aí em Curitiba você encontra água de coco natural no supermercado Angeloni e no Box do Coco no Mercado Municipal.
      Bjs

      Reply
    • 23 de junho de 2017 at 10:27
      angélica sá

      oie… aqui em rio grande – rs é pior nem sinal de coco, só o seco que encontramos em supermercado 🙁 alguma dica flávia?

      Reply
  • 15 de maio de 2017 at 13:23
    Fafa Costa

    Flávia Você tem sido um anjo em minha vida, tem me ajudado muito com suas informações gratidão sempre!!!

    Reply
    • 15 de maio de 2017 at 14:38

      Oii Fafa!!
      Muito obrigada pelo carinho, lindona!
      Super beijo.

      Reply
  • 15 de maio de 2017 at 13:46
    Camila

    Obrigada pelo post Flavia, pena de quem não procurar se conhecer em todos os sentidos, tenho lido muita coisa sobre meu biotipo e vejo que posso mudar hábitos alimentares e viver melhor, me sentir melhor simplesmente respeitando o que nao cai bem no meu organismo..
    Passarei a ler todos seus posts rss
    Beijos!

    Reply
    • 15 de maio de 2017 at 14:38

      Oi Camila!
      Também acredito muito no que disse! Que legal que você também está disposta a se conhecer 🙂
      Obrigada pelo carinho, um beijo!

      Reply
  • 15 de maio de 2017 at 14:22
    Rúbia

    Oi Flavinha,

    Caso eu faça o consumo de algum alimento que eu deveria cortar. Ex: banana. Isso quer dizer que eu nunca vou me livrar da disbiose e da candi? Devo cortar os alimentos prejudiciais por quanto tempo? Um beijo!

    Reply
    • 15 de maio de 2017 at 14:37

      Oi Rúbia!!
      Isso somente sua nutricionista pode te dizer, pois cada organismo funciona de uma maneira diferente e terá necessidades específicas 🙂
      Um beijinho e boa sorte!

      Reply
  • 15 de maio de 2017 at 15:58
    Naialla Huttner

    Ai que feliz, meu maior problema não é comer todas essas opções, meu problema é o café ( sou viciada ) 😕
    Obrigada pelos post Fla, me identifiquei e estou indo conversar com minha nutrologa 😊

    Reply
  • 15 de maio de 2017 at 17:45
    Deborah Werner

    Flavia, muito obrigada por essas postagens. Uma questão: milho e tapioca podem?
    Obrigada!

    Reply
    • 16 de maio de 2017 at 12:46

      Oi Deborah!
      Depende muito do seu quadro. Quanto menos carboidratos de alto índice glicêmico você consumir, mais rápida sua melhora.
      Tapioca tem índice glicêmico alto, milho também.
      Bjs

      Reply
  • 15 de maio de 2017 at 21:24
    Francie

    Flávia, para quem tem intolerância à gluten queijo é ruim? posso comer queijo?

    Reply
    • 16 de maio de 2017 at 12:45

      Oi Francie!
      Se estiver em tratamento para síndrome fúngica é ruim sim.
      Para quem tem intolerâncias alimentares, o queijo é legal evitar pois a proteína do leite é bem difícil de digerir. Como você já tem uma digestão enfraquecida, isso pode causar mais problemas.
      Bjs

      Reply
  • 16 de maio de 2017 at 9:25
    Camila

    Oi Fla!
    Obrigada pela série de posts. Tem me ajudado muito! Só fiquei com uma dúvida: num post você diz para cortar os açúcar e isso inclui frutas. Neste você fala sobre frutas vermelhas, melão, maracujá e laranja. A indicação é cortar ou só manter estas últimas?
    Beijos!

    Reply
    • 16 de maio de 2017 at 12:42

      Oi Camila!
      As frutas neste post são frutas com menor índice glicêmico, portanto podem ser consumidas no período. Lembrando sempre que cada caso é um caso, por isso o acompanhamento profissional é fundamental.
      bjs

      Reply
  • 16 de maio de 2017 at 10:26
    Milena Helena Cândido de Souza

    Olá….
    A banana da terra pode ser consumida?
    É sobre o Xylitol por ele ser um açúcar…mesmo que natural pode ser consumido?
    Obrigada desde já.
    Vc está me ajudando muitoooo!

    Reply
    • 16 de maio de 2017 at 12:48

      Oi Milena!
      Bananas têm índice glicêmico alto, o ideal é evitar.
      O xilitol pode ser usado, mas com parcimônia pois em grandes quantidades ele causa fermentação e gases, pois é um poliol.
      Bjs

      Reply
  • 16 de maio de 2017 at 11:42
    Mariane

    Oie Flávia, tudo bem?
    Sempre compro castanhas a granel, mas fiquei preocupada com a questão da procedência.
    Você tem algum lugar (ou marca) pra indicar em Curitiba, que sejam de boa procedência e não custem uma fortuna?
    Obrigada

    Reply
  • 16 de maio de 2017 at 13:27
    Ana Paula

    A farinha de oleaginosas também estão na lista de farinhas a serem excluídas? Obrigada

    Reply
  • 17 de maio de 2017 at 10:59
    Rebeca

    Oi Flavia!

    Não pode usar açucar nem para fazer pão com estes ingredientes?

    Reply
  • 17 de maio de 2017 at 13:23
    Celine

    Ótimo post, Flavia.
    Obrigada por compartilhar essas dicas e parabéns pelo blog!
    bjo

    Reply
  • 18 de maio de 2017 at 18:03
    Carol

    Oi, Flá. Gostei muito dessa série de posts. Estou em busca de uma alimentação mais anti-inflamatória para reduzir uma série de sintomas que tenho decorrente do stress, e suas dicas me ajudaram muito. Fiquei chocada também com os comentários das pessoas. Como a indústria engana a população, é triste. Beijao

    Reply
  • 19 de maio de 2017 at 7:09
    Flávia Fagundes

    Vc pode fazer um post falandovda dieta de quem tem hipotireoidismo?

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *