Como me acostumei com minhas restrições alimentares

Oioioiii, amigos!!! Vamos conversar hoje sobre como me acostumei com minhas restrições alimentares!

Muita gente me encontra pelo mundo da internet no mesmo estado em que eu estava quando comecei o blog: desesperado!

De repente você tem que cortar algo da alimentação que sempre esteve presente, que aparentemente era inofensivo e que agora que você reparou está em todo lugar. Se identifica?

Aí você cai naquela cilada (Bino) de ficar procurando tudo que TEM lactose, glúten, proteína do leite, soja, ou qualquer outra coisa que você se descobriu alérgico, em vez de procurar o que não tem. Aí o desespero aumenta, porque TUDO, TUDO, TUDOOOOOOO tem.

Você fica triste, você fica desesperado, você come mesmo assim porque não aceita.

Você fala pra você mesmo que uma hora seu corpo vai se acostumar e que não vai mais passar mal, aí continua comendo. E passando mal.

Você finge que foi outra coisa.

Você diz pra você mesmo “só um pedacinho não vai dar nada”.

Você fica irritado quando vai a uma festa e todo mundo come bolo e você não.

Você para de sair com seus amigos porque não vai ter nada pra você comer.

Você briga com seu namorado porque ele comeu pizza.

Se você não se identificou com nada disso, te admiro! Porque eu, nos primeiros anos depois de descobrir minhas alergias, passei por isso várias vezes. É, isso mesmo, nos primeiros ANOS.

Não foi fácil, não. Minha alimentação era baseada em leite e glúten. Era pastel, pizza, massa, pão, sonho e bolo todo dia. TO-DO DIA.

O que aconteceu então, que hoje eu lido tão bem com isso?

Primeiro de tudo, o tempo passou. Não adianta achar que no dia seguinte do resultado do exame você vai entender, aceitar e melhorar.

Até hoje não conheci uma pessoa que tenha sido instantânea a mudança.

Depois, eu cansei de viver mal. Sabe quando você vai se enganando? Quando você come algo que não devia e culpa outra coisa?

Ou quando você acha que se continuar forçando seu organismo, uma hora ele vai aceitar.

Ou pior, quando você acha que de repente você pode estar curado? (Eu às vezes ainda tenho esse sonho, admito hahahah).

Mas, aparentemente isso não acontece, amigos. E o pior, é que só piora. Vai demorar mais pra você melhorar, vai demorar mais pra você se acostumar e vai demorar mais pra você mudar.

Outra coisa que me ajudou bastante: eu parei de achar que eu era uma vítima.

A pobrezinha que não tinha comida especial nos eventos. A tadinha que ficava comendo frango com legumes e batata enquanto a família se afundava no macarrão.

A excluída na hora do couvert. A única que não comia bolo na festa. A esquisita que ficava interrogando todo garçom. A maluquinha que ligava antes pro anfitrião da festa pra saber do cardápio. A neurótica da dieta que anda com marmita pra todo lugar.

Posso ser todas essas aí, mas depende de quem vê. Eu prefiro assim, ó:

A lindeza que se ama e que se programa, se cuida, se organiza e tenta manter o bom humor mesmo com fome, sem opção ou com marmita fria.

Melhor, né não?! hahahha

É claro que apoio da família e amigos é essencial. Nos sentirmos incluídos é a melhor coisa que tem! Inclusive falei um pouco sobre isso neste post aqui, e acho que vale dar uma conferidinha 😉

A questão é que, não importa qual seja a mudança que você deve fazer, você tem que querer. Você tem que parar de achar desculpas para deixar mais pra frente.

E é aí que a maior parte das pessoas se perde.

Como sociedade, estamos acostumados a esperar soluções dos outros. Tudo parece ter solução e alguém que entende melhor. O médico, o remédio, a escola, o presidente, o diretor, a mãe, o namorado. Não estudamos sobre alimentação, nutrição, saúde, política, matemática, finanças.. tem gente que pode fazer isso pra gente né?

Queremos que as coisas mudem, que as coisas se resolvam, mas não começamos mudando a gente.

Aí a gente fica:

“Eu já diminui bastante”.

“Não tinha nada que eu pudesse comer, só aquela pizza mesmo”.

“Disseram que só ia um pouco de creme de leite, aí comi”

“Eu nem passo tão mal”

“Ah, vou passar mal mesmo, não tem problema”

“Hoje eu mereço”

“Se eu não comesse não ia ter mais nada para eu comer”

E por aí vai…

Quer saber outra coisa, eu juro que com o tempo aquela mesa de doces maravilhosos, cestas de pães e cheiro de queijo derretido para de ser uma tortura. Você até consegue deixar divertido.

Quando estou com minhas amigas, minha família, meu namorado, eu peço para eles comerem por mim e pergunto se está maravilhoso, se está incrível e se eles casariam com aquele brigadeiro de leite ninho recheado de nutella.

Às vezes eles casariam, sim. Às vezes eles falam que nem tá tão gostoso – para serem fofinhos e falarem que nem estou perdendo nada.

Entende quando eu digo que como a gente reage faz a diferença?

É tipo terminar namoro. No começo parece horrível. Você começa a sair com outras pessoas, compara ao ex e acha todos chatos, feios e bobos.

De repente você conhece alguém que te faz rir, ou que te leva para ver um filme tão legal que você nem lembrou do ex, ou alguém realmente prestou atenção quando você falou da sua restrição alimentar e no dia seguinte aparece com um chocolate que ele viu que não tinha lactose e lembrou de você.

Assim como o término do namoro, na mudança dos hábitos alimentares você vai descobrindo novos sabores. Você vai ver que a vida sem leite, glúten, soja, milho, amêndoa, clara de ovo, o que quer que seja, é legal, sim!!!!

Fora que, deixa eu vender meu peixe, olha o tanto de receita deli que eu já desenvolvi e dividi aqui com você! Se joga, amigo!!!!

Por fim, deixo aqui o vídeo que está lá no meu canal do YouTube, que dou umas dicas e falo um pouquinho mais 🙂

Um beijo, e fica bem, está tudo bem!

Quer fazer uma aula de Personal Cook comigo? Clique aqui e saiba como.

Sobre o Autor

Flavia Machioni

Flavia Machioni

Oiii, eu sou a Flavia, autora do Lactose Não. Aqui, divido minhas invenções na cozinha, dicas de viagem, mostro meu estilo de vida e passo um pouquinho do que tenho aprendido desde que descobri ter alergias alimentares ao glúten e leite :)

Posts Relacionados

Mais Posts desta categoria

15 comentários em “Como me acostumei com minhas restrições alimentares

  • 14 de dezembro de 2016 at 15:12

    Vc é muito mais saudável vivendo assim do que se não tivesse alergias. Nesse mundo de hoje quem não come gluten e lactose são os únicos que sabem que existe milhares de opções além de pão massas e queijos. Adoro seu blog. Me ajuda muito. Bjus

    Reply
  • 14 de dezembro de 2016 at 21:40
    Magali Miranda

    Descobri a pouco tempo que eu sou intolerante à lactose onde eu moro há poucas opções para comprar.Estou aprendendo através do seu site coisas que eu posso comer.Estou me sentindo melhor é mais disposta do que antes. Obrigada pela ajuda.

    Reply
  • 23 de dezembro de 2016 at 7:06
    Adriana

    Descobri a um mês que sou intolerante a lactose mas mesmo não consumindo mais nada que contenha leite ainda sinto muita dor de barriga ,diarreia diária e perda de peso. Não sei mais o que fazer

    Reply
    • 5 de janeiro de 2017 at 10:21
      Shirlei

      Falando pela minha experiência, você tem que curar teu intestino e organismo de modo geral, pois ele fica muito danificado. Procure uma nutricionista pra te auxiliar, dá pra manipular muitos suplementos pra ajudar nisso.

      Reply
  • 30 de dezembro de 2016 at 18:46
    Aline Martinez

    Flávia sua fofa, muito bom ler seus posts, totalmente na linha do que penso. Eu vivia à base de queijo, aquela pizza de 4,5, 6 queijos que eu amava hj nem o cheiro me atrai. Sou intolerante à lactose e sensível ao glúten e hoje percebi “Posso comer o que eu quiser, desde que eu aceite as consequências…. Porém, não preciso expor meu organismo ao que ele não precisa e não aceita. Simples assim”

    Reply
  • 2 de janeiro de 2017 at 23:30
    Fernanda

    Oi Flavia,
    Nao sou intolerante a lactose, porem venho tentando mudar meus habitos alimentares.
    Encontrei seu blog e achei o maximo as receitinhas…
    Parabens pelo blog!

    Reply
  • 9 de janeiro de 2017 at 14:01
    Luciana

    Olá, eu descobri minhas alergias e intolerância a 1 ano e ainda não consegui me acostumar com as restrições, engraçado que me identifiquei com tudo que você escreveu !!! Amei seu blog, vou me inspirar nas receitas para viver melhor !!

    Reply
  • 1 de fevereiro de 2017 at 18:09
    Polyana

    Adorei o post! Tô na adaptação à intolerância à lactose, e me identifiquei muito com td que vc disse. Obrigada por compartilhar e incentivar a ver que existem tantas outras coisas boas ao redor e que vai ficar td bem.

    Reply
  • 1 de fevereiro de 2017 at 21:53
    Paula

    Olá! Descobri a intolerância há 2 anos mas lutava contra os sintomas há uns 8 anos. Mas estou suspeitando de sensibilidade ao glúten. Estou me organizando psicologicamente ainda quanto ao glúten. Rs. Não é fácil! A ignorância médica só atrapalha ainda mais!

    Reply
  • 2 de fevereiro de 2017 at 0:07
    Jessica

    Tá sendo muitooo difícil pra mim… tem duas q choro ou como msm sabendo q vou passar mal.. descobri faz 4 meses e adoro tudo que não posso mais… fico feliz em ler o que escreveu pq me identifiquei com TUDO!! agora estou evitando a lactose pq passei muito mal nessa última semana e o médico me chamou a atenção. Obrigada pelo blog

    Reply
    • 9 de março de 2017 at 17:33
      daniela

      Nessas horas a internet é nosso melhor amigo, porque compartilhamos depoimentos e ideias. Tem muita coisa legal pra aprender na internet. Leia o livro Saúde Total, do Dr. Willian Davis, e veja que estamos no lucro, porque certos alimentos só prejudicam a saúde de qualquer um. O canal do Dr. Juliano Pimentel é muito interessante também.

      Reply
  • 2 de fevereiro de 2017 at 9:38
    ALESSANDRA

    Flavia, adoro você! Eu descobri a intolerancia há uns 6 anos, nos primeiros meses comia sem me preocupar com a dor de barriga que viria depois. Mais tarde consumia enzimas excessivamente, até pararem de fazer efeito, então, surgiram produtos “sem lactose”, me salvou durante um tempo… convivo com dermatites desde meus 3 anos (hoje tenho 34), ja passei por tantos médicos que perdi a conta, e NENHUM deles solucionou meu caso, minha dermatite ataca principalmente no verão, todos diziam que eu tinha alergia ao sol (oi?). Cansada de tudo isso, cansada de uma misera caminhada na praia me atacar alergia, tentei mais um médico alergista, que médico!!! Além de fazer mais de 100 exames para alergias, ele me cortou de cara, Gluten, ovos, lacteos e soja, estou me adatpanto muito bem, sem vitimismo. Se meu marido quer sair para almoçar ou jantar em algum lugar que nao tem nada que eu possa comer, eu como antes de sair de casa e vou com ele, ele não é obrigado a se restringir por minha causa (mas ele geralmente se restringe). Eu aceitei numa boa minha nova vida, conhecendo novos sabores, fazendo inumeras receitas suas e o melhor de tudo, fui a praia e não me deu alergia.
    Nossa vida é feita de escolhas, precisamos parar de nos fazer de coitados, tem evento? Come antes de sair, no evento fala que nao esta com fome (pras pessoas nao ficarem fazendo você de coitado também)
    Obrigada por postar tantas receitas maras, fazendo a vida dos alergicos muito mais feliz. Você é sensacional!!!!

    Reply
  • 18 de fevereiro de 2017 at 15:17
    Marcia

    Olá. Não tenho intolerância a lactose e bem alergia a proteína do leite! Mas não posso comer nada que tenha leite ou seus derivados. Descobri essa semana que sou intolerante a glúten! Fiquei bem chateada porque tudo que com que não leva leite, tem glúten.

    Adoro seu blog <3

    Reply
  • 18 de fevereiro de 2017 at 15:22
    Marcia

    Olá. Não tenho intolerância a lactose e nem alergia a proteína do leite! Mas não posso comer nada que tenha leite ou seus derivados. Descobri essa semana que tenho intolerância a glúten! Fiquei bem chateada porque tudo que como, e que não leva leite, tem glúten.

    Adoro seu blog <3

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *